"Eu sou o que me cerca. Se eu não preservar o que me cerca, eu não me preservo".
José Ortega y Gasset

quinta-feira, 28 de março de 2013

Dia 01 de abril tem Ciclo de Debates: O Golpe de 64 e a Comissão da Verdade"



Os Cursos de Ciências Sociais e Ciências da Religião da FURB, promovem no dia 01 de abril de 2013 o Primeiro Ciclo de Debates "O Golpe de 64 e a Comissão da Verdade", com os seguintes palestrantes:

Sr. Prudente José Silveira Mello - Advogado da Comissão de Anistia do Ministério da Justiça;

Padre Vilson Groh - Membro do Centro Cultural Escrava Anastácia;

Doutoranda Cristina Ferreira - Docente do Curso de História da FURB;

Sr. Ricardo Freitas - Assessora Sindical.

Mediador: Professor Nelson Garcia Santos

Os participantes receberão certificado de 4 h/a para validar como AACC's.

Data: 01/04
Horário: 18h30min às 22h
Local: Câmpus 1 - Auditório Bloco T - Prof. Rivadávia Wollstein - Mapa
Informações: E-mail: cchc@furb.br | CCHC - Bloco R - Câmpus 1

FONTE:
http://www.furb.br/web/2683/eventos/primeiro-ciclo-de-debates-o-golpe-de-64-e-a-comissao-da-verdade/1329

sexta-feira, 22 de março de 2013

RESULTADOS: Simpósio Diálogo Brasil/EUA em História Ambiental: Definindo Agendas e Estratégias de Pesquisa em Comum


Ocorreu nos dias 12-15 de março o Simpósio Diálogo Brasil/EUA em História Ambiental: Definindo Agendas e Estratégias de Pesquisa em Comum que teve como objetivo fomentar o diálogo aberto e comparativo entre pesquisadores dos dois maiores territórios nacionais das Américas, espaços históricos dotados de algumas semelhanças e notáveis diferenças em seus processos de formação.

Os participantes, pesquisadores dos Estados Unidos e Brasil que apresentaram no evento disponibilizaram seus textos, e a organização do evento disponibilizou os documentos e o áudio das comunicações para a comunidade acadêmica. 

PARTICIPANTES EUA

Donald Worster (Universidade do Kansas)
John McNeill (Universidade de Georgetown)
Linda Nash (Universidade de Washington)
Louis Warren (Universidade da Califórnia, Davis)
Martin Melosi (Universidade de Houston)
Nancy Langston (Universidade de Wisconsin)
 Thomas Dunlap (Universidade de Texas A&M)

PARTICIPANTES BRASIL

José Augusto Pádua (Universidade Federal do Rio de Janeiro)
Lise Sedrez (Universidade Federal do Rio de Janeiro)
Susana Cesco (Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro)
Ely Bergo de Carvalho (Universidade Federal de Minas Gerais)
Eunice Nodari (Universidade Federal de Santa Catarina)
Haruf Espindola (Universidade Vale do Rio Doce)
José Augusto Drummond (Universidade de Brasília)
José Luiz Franco (Universidade de Brasília)
Leila Mourão (Universidade Federal do Pará)
Paulo Martinez (Universidade Estadual Paulista - Assis)
Regina Horta Duarte (Universidade Federal de Minas Gerais)
Rogério Ribeiro de Oliveira (Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro)
Lorelai Kury (Casa de Oswaldo Cruz)
Dora Corrêa (Centro Universitário FIEO)


Vídeos do simpósio disponibilizados no youtube:

Simpósio História Ambiental_Painel Legislação
Simpósio História Ambiental_Mesa-redonda Corpos, Cultura
Simpósio História Ambiental_Painel Doenças, Representações da Natureza
Simpósio História Ambiental Populações Tradicionais, Migrações e Sociedades Multiculturais 1/2
Simpósio História Ambiental Populações Tradicionais, Migrações e Sociedades Multiculturais 2/2
Simpósio História Ambiental_Painel Políticas Públicas e Construção Territorial
Simpósio História Ambiental _ Mesa redonda
Simpósio História Ambiental_Painel Cidades, Corpos e Culturas Perspectivas da História Ambiental
Simpósio História Ambiental_Painel Fronteira e Migrações
Simpósio de História Ambiental - Painel Ambientes Urbanos

Maiores informações


segunda-feira, 18 de março de 2013

Chamada para entrevistas PESQUISA FUNDES 2013-2015

INSCRIÇÕES ENCERRADAS
(Aguarde novas chamadas - em breve)


O Grupo de Pesquisas de História Ambiental do Vale do Itajaí submeteu duas pesquisas para o FUNDES, com espaço para três pesquisadores-bolsistas para realizarem as Iniciações Científicas. Foram encaminhadas as pesquisas: 


-A produção de arroz na bacia hidrográfica do rio Benedito (Vale do Itajaí); tecnologia, sociedade e natureza. (1 bolsa).

- Subsídios para a história ambiental das antigas serrarias do sul de Blumenau no território do Parque Nacional da Serra do Itajaí. (2 bolsas).

Os candidatos devem comparecer para entrevista na sede do GPHAVI, Campus 1,  sala R-109 das 14:00 as 16:00 horas para entrevista. 

OBS: Os candidatos devem ter os quesitos para a Bolsa FUNDES, que são: Ser catarinense (certidão de nascimento), ou ter comprovantes de 2 anos de moradia no Estado de Santa Catarina; ter estudado em escola pública durante todo o Ensino Médio, ou ter estudado com bolsa de estudo integral ou parcial em escola de Ensino Médio Privada.

sexta-feira, 8 de março de 2013

A caçada da onça

Neste texto a Historiadora Sandra Regina Rosa da Costa(1)  apresenta uma história sobre "A caçada da Onça", produzido a partir de uma pesquisa realizada com seus alunos na comunidade "Toca da Onça". No estudo a historiadora e estudantes desvendaram o porque da localidade ter este apelido...

Era agosto de 1955 quando um grupo de caçadores que morava no Vale do Itajaí, na região de Blumenau entre a Fortaleza e Gaspar, se deparou com uma enorme onça. O animal pesava aproximadamente 100 quilos e seu comprimento da cabeça ao rabo era de 2 metros e meio.

Nessa localidade, moravam apenas quatro famílias. Uma delas era a do senhor Alfredo Kath, que após casar-se com dona Helga, compraram essas terras do senhor Fritz Hering e para lá foram morar. Construíram sua casa e ali eram agricultores, tirando lenha do mato, plantando abacaxis e criando animais. Assim, essa localidade ficou conhecida por muito tempo como “Morro do Abacaxi”, devido à enorme plantação de abacaxis do senhor Alfredo.

Hoje, conhecemos a região por Bairro Nova Esperança e no lugar dos quatro moradores, se encontram milhares de famílias oriundas de todos os locais da cidade de Blumenau e de cidades vizinhas, como também de estados vizinhos, principalmente o Paraná. Juntamente com o senhor Alfredo, havia muitas pessoas que por ali caçavam. 

Da floresta Atlântica se caçava paca, cutia, inhambu, gambá, cutia, sabiá, tatu e até bugio. O senhor Ernesto Sheno, caçador de muitos anos, encontrou no meio do mato, ossadas de um animal grande. Mais precisamente um graxaim com os ossos todo ruídos, deduzindo com isso que para matar e comer um animal desses deveria ser outro animal, maior e mais forte. Também encontrou pelos coloridos, troncos de árvores raspados e pegados de patas no caminho, constatando assim que se tratava de uma onça. Até o momento, ninguém havia percebido o rugir da mesma. Somente uma senhora de idade, que capinava no mato, prestando serviços na redondeza, dizia: “Aqui tem uma onça”. Como era pessoa de idade bastante avançada, ninguém dava importância ao que dizia, apenas achavam graça em seus comentários. Bem vivida essa senhora, que por viver muitos anos no sítio, já conhecia o modo sorrateiro que o bicho da selva costumava andar pela floresta...

A partir da constatação do senhor Ernesto, caçador experiente, todos do lugar ficaram apavorados. Ninguém mais queria ir para o mato sozinho, muito menos dormir depois do almoço como era de costume. Senhor Alfredo tinha dois filhos: Carmem e Nivaldo, que na época frequentavam o Grupo Escolar Gustavo Richard. Para chegar à escola, eles andavam por uma picada no meio da mata. E se a onça atacar? Não encontrariam nada mais do que ossos e material escolar dessas crianças! O pavor estava instaurado na pequena comunidade.

Um dia, avistaram a onça na beira do pasto, perto do rebanho. E assim decidiram que deveriam de capturar a onça. Estava ficando perigoso demais ficar ali a mercê de um animal de tão grande porte. Homem e animal selvagem no mesmo habitat não caberiam mais, pois ambos haviam invadido as fronteiras do outro. Hercílio Deecke era o prefeito de Blumenau, e colocou uma recompensa a quem encontrasse a onça. A onça viva valeria cem contos de réis, a onça morta, cinqüenta contos. Iniciou-se então uma busca desenfreada para capturar a onça. Havia muitas pessoas que se embrenharam na mata adentro a caça do animal sem resultados. Senhor Alfredo, juntamente com seu amigo caçador, senhor Ernesto, começaram a se preparar para o dia decisivo de também caçar o animal, com o objetivo principal de encontrar o sossego que antes tinha em sua propriedade. Treinaram durante a semana os tiros com suas espingardas, e quando se sentiram seguros, embrenharam-se mato adentro num domingo de manhã, até encontrarem o esconderijo do malfadado animal. Para surpresa deles, o animal já tinha família, era um casal e estava morando bem perto de sua propriedade, para o lado de Gaspar, porém fazia divisa com suas terras.

Fizeram uma emboscada, um em cada lado da toca. Quando o animal chegou, cravaram de bala. O animal assustado embrenhou-se dentro da toca, que apenas de um buraco médio dava de ver o bicho. Seu Alfredo disse que o urro do animal estremecia toda a floresta. Cada vez que o animal colocava a cabeça para fora era quem mais podia encher o buraco de balas de espingarda. Chegou um momento, tudo ficou quieto. Não se ouvia mais a onça. Deduziram então que a mesma estava ferida ou quem sabe morta. Uma pessoa do grupo, seu Klein, resolveu entrar na toca para tirar o animal. Nesse momento, o animal de súbito dá o bote e ataca o homem. Mais uma chuva de balas de espingarda e uma delas acaba atingindo a onça na cabeça, que cai morto. Seu Klein escapa com poucos ferimentos. Seu Alfredo disse que passaram muita fome no mato e que para tirar a onça dessa toca foi muito difícil, pois a toca tinha uma abertura pequena e a onça, por se tratar de um macho, era enorme.

Levaram o corpo do animal mato adentro e saíram na localidade do Capim Volta. Revezavam-se, pois depois da onça morta não faltou caçador para ajudar a levar a mesma para a prefeitura. Após fazerem um desfile na rua XV de Novembro, com a onça em cima de um carro, a levaram para o campo do Olímpico, onde foi carneado e tirado o couro. Bateram muitas fotos, porem de tanto emprestarem, muitas se perderam nos anos que se seguiram. O couro foi levado para um curtume e fizeram um tapete, depois fizeram uma rifa e quem ganhou foi um senhor que o seu Alfredo não sabe o nome, que na época morava na Rua Itajaí. Seu Alfredo ainda ajudou a vender os bilhetes da rifa. A recompensa não foi em dinheiro. Os cinqüenta contos de Réis nunca vieram. Veio sim, o reconhecimento e a tranqüilidade para todos que moravam naquela região. Depois de dois meses, a onça fêmea foi morta no Morro do Cachorro por outros caçadores e nunca mais se ouviu falar de onças na nossa região.

Seu Alfredo hoje tem 85 anos, embora doente, ainda nos conta em partes sua aventura. Ele se perde na questão de tempo, pois tem dúvidas do ano ou da estação que havia na época. Também nos diz que não se sabe de que espingarda saiu o tiro que matou a onça. Dona Helga, com 81 anos lembra muita coisa. Principalmente de que naquela época ali era uma verdadeira floresta fechada. Lembra que brigaram muito para ter uma estrada, pois apenas tinha uma picada de mato para poderem ir para o centro. Falou-nos também de seu pai, que no final da vida veio morar com eles e depois ganhou o nome da primeira escola do bairro. Eles doaram o terreno para a construção da escola e assim em homenagem a eles, nomearam a escola com o nome de seu pai: Hermann Hamann. Dona Helga se lembra das dificuldades de uma época que não tinha luz elétrica, água encanada e que na medida em que vinham pessoas morarem na região, eles forneciam água de sua nascente.

Foi muito bom “resgatar” essa história, e mais ainda, “resgatá-la” para os alunos, pois nós não devemos apenas respeitar e valorizar as grandes histórias políticas da cidade, mas também as pequenas histórias, que na vida da gente, torna-se um grande feito e contribui para o progresso e o desenvolvimento da nossa região. Esse trabalho foi desenvolvido com a visita a casa do Senhor Alfredo Kath dos alunos da 4ª série da Escola Básica Municipal Gustavo Richard do ano de 2006. A partir das visitas e das entrevistas, todas desenvolvidas informalmente entre conversas e lembranças, conseguimos reconstruir esse relato histórico da nossa comunidade. Procurávamos o porquê a nossa localidade tinha o apelido de “Toca da Onça”. Com certeza a pergunta foi respondida. 

(1) Professora da Rede Municipal de Ensino de Blumenau. Graduada em Pedagogia pela UNIASSELVI. Licenciada Plena em História pela UNIASSELVI, Pós-Graduada em Metodologia de História e Geografia pelo ICPG. E-mail: costapro@ig.com.br .


domingo, 3 de março de 2013

sábado, 2 de março de 2013

Redwood Indústria Madeireira, norte da Califórnia - 1947

Para visualizar o processo de exploração da madeira, em algumas pesquisas exploratórias no youtube encontramos um pequeno vídeo sobre a exploração da sequoia na Califórnia  Estados Unidos, realizada pela Indústria Madeireira Redwood. Através do vídeo algumas técnicas e tecnologias da exploração madeireira podem ser bem visualizadas e compreendidas, e muitas delas se assemelham as que ocorreram durante a fase de exploração de árvores do nosso Vale do Itajaí.