O cientista deve preocupar-se em criar, despertar e estimular o interesse pela concepção de novos paradigmas e não limitar-se somente à transmissão de conhecimentos já estabelecidos.



sábado, 10 de junho de 2017

II Colóquio Histórias do Sertão: fronteira, sujeitos e narrativas

Mudança no campo da pesquisa em História tem permitido novos olhares sobre fontes tradicionais ou apontado na direção de novas fontes possibilitando o surgimento de novos discursos, a elaboração de novos textos sobre os sertões.
Sertão é tema central da reflexão de várias áreas de estudos, contudo, tem predominado sobre esse espaço uma representação informada por um conjunto de elementos fixos e negativos. Entre outras áreas, a História tem contribuído para atenuar essa visão negativa e apontar na direção da existência de vários sertões com processos de formação social e singular.
Desse modo, o Sertão, não sendo uma realidade geográfica dada a priori, localizável, o mesmo é o acúmulo da experiência; experiência com o espaço. Em verdade, tem-se uma paisagem imaginada como sertão, não como dado externo palpável, sendo, ao fim, elaboração estética. É, portanto, dotada de imaginário, de conteúdos simbólicos e subjetivos, bem como pode servir a fins políticos e ideológicos.
O caso do Maranhão e o Piauí, tradicionalmente identificados como sertão, não obstante a participação no movimento de renovação historiográfica, a representação de elementos fixos e negativos tem preponderado. É no sentido de divulgar as novas tendências de pesquisa e fazer circular novo textos sobre o sertão que é a proposta temática para o Colóquio de 2017.
Em 2016 foi realizado I Colóquio de História do Centro de Estudos Superiores de Caxias, com o tema: “Fontes sobre Caxias”. O evento foi considerado positivo, participaram alunos e professores da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), Universidade Estadual do Piauí (UESPI), Universidade Federal do Piauí (UFPI) e Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão (FACEMA). Em 2017, propomos a realização do II Colóquio, com o tema: “Histórias do Sertão: fronteira, sujeitos e narrativas”. Acesse a página do evento aqui.





terça-feira, 6 de junho de 2017

segunda-feira, 5 de junho de 2017

13 anos investigando a História Ambiental do Vale do Itajaí


Resultado de imagem para GPHAVI

Hoje o Grupo de Pesquisas de História Ambiental do Vale do Itajaí - GPHAVI completa seu 13º aniversário. Sua criação ocorre no dia mundial do meio ambiente. Sua pré-história inicia em 2003, com o desenvolvimento da primeira pesquisa de iniciação científica desenvolvida pelo pesquisador Martin orientada por Gilberto pelo PIPe. A experiência promoveu a partir de 2004 a criação do grupo no diretório do CNPq com certificação da FURB. Somados com o interesse pela História Ambiental do Vale do Itajaí, o historiador Martin, bióloga Vanessa, e geógrafo Gilberto promoveram durante esse período o desenvolvimento de um laboratório de estudos com a abordagem da História Ambiental, o que somou mais de 40 projetos de Iniciação Científica e Extensão, com recursos públicos de bolsas de pesquisas para estudantes da graduação, projetos com fomento pela FAPESC, e com parcerias e prestações de serviços especializados com órgãos públicos, privados e do terceiro setor. Agora com o esforço de todos que participaram e colaboraram possuímos um laboratório vinculado às disciplinas do curso de História, e Geografia (em abertura na FURB), e do Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional, desenvolvendo pesquisas integradas ao nosso projeto maior, a História Ambiental do Vale do Itajaí. Foram 13 anos de muito trabalho, somando esforços  que continuarão interruptamente a cada dia que vai vir, para desvendar os processos das interações e interdependência dos indivíduos que compõe a natureza, e gerar conhecimento para que nossa espécie conserve e respeite o lugar onde vive, a vida existente,  e ciclos que nos circundam.  Parabéns a todos que contribuíram e fazem do GPHAVI existir...

segunda-feira, 29 de maio de 2017

A cada dois dias, um Ibirapuera de Mata Atlântica desaparece

Para ver essa matéria completa acesse aqui.
O equivalente a 183 parques do Ibirapuera de florestas foi destruído, no bioma mais ameaçado do país, entre 2015 e 2016.  Os novos dados do Atlas da Mata Atlântica, divulgados nesta segunda-feira (29), indicam que 29.075 hectares dessas florestas foram desmatados no período, contra 18.433 hectares no ano anterior, um aumento de 57,7%. Para ler mais acesse aqui

FONTE: O ECO

terça-feira, 23 de maio de 2017

Natureza em LUTO! Quando o Gato sai os Ratos fazem a festa! Políticos envolvidos com corrupção aprovam medidas que favorecem desmatamento!


O Senado aprovou, na tarde desta terça-feira (23), as Medidas Provisórias 756 e 758, que reduzem ou flexibilizam a proteção de mais de 600 mil hectares na Amazônia. Enviadas pelo presidente Temer em dezembro, as propostas foram modificadas durante a tramitação nas comissões mistas e atingem as Florestas Nacionais de Jamanxim (PA) e Itaituba II (PA) e os Parques Nacionais do Jamanxim (PA) e São Joaquim (SC), além de criar duas novas Áreas de Proteção Ambiental (APA de Jamanxim e APA Rio Branco), categoria mais branda de Unidades de Conservação, que permite propriedades privadas e exploração produtiva dentro de seus domínios. As Medidas Provisórias seguem agora para sanção presidencial. Leia mais da matéria do O ECO clicando aqui!


domingo, 21 de maio de 2017

Atlas da Mata Atlântica


"Mapear e monitorar a situação da Mata Atlântica e seus ecossistemas associados é a principal missão do Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica, hoje uma ferramenta consagrada para o conhecimento do bioma pela sociedade. A iniciativa é marcada por um convênio pioneiro entre a Fundação e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), e atualmente tem o patrocínio do Bradesco Cartões e execução técnica da empresa de geotecnologia Arcplan". (FONTE: SOS Mata Atlântica). Para acessar e ter informações sobre a Mata Atlântica clique aqui.

quinta-feira, 18 de maio de 2017

GT Nacional de História Ambiental

Entre na página do GT clicando aqui
Conheça  a página oficial do GT Nacional de História Ambiental. 

O Grupo de Trabalho História Ambiental, da Associação Nacional de História (ANPUH), é formado por estudantes, professores e pesquisadores de diversas universidades brasileiras. Foi constituído em 2013, durante o XXVI Simpósio Nacional de História. Tem dois objetivos principais: promover o debate acadêmico sobre a temática da história e natureza, por meio de eventos e atividades que ajudem a fomentar pesquisas na área de história ambiental no Brasil; articular e promover o intercâmbio de ideias, metodologias e aportes teóricos entre pesquisadores, que vêm desenvolvendo suas atividades em diferentes estados do país, contribuindo para o esforço global de construir uma sociedade ecologicamente viável e socialmente justa. Hoje somos 77 doutores(as), 34 doutorandos(as), 24 mestres, 24 mestrandos(as) e 7 graduados(as), totalizando 166 integrantes. (FONTE: GTHA, 2017)

sexta-feira, 12 de maio de 2017

III Circular da Escola de Pós-graduação da SOLCHA

Vai acontecer entre os dias 24 a 27 de outubro de 2017 em Anápolis, Estado de Goiás a III Escola de Pós-graduação da SOLCHA. O evento é promovido pelos grupos de História Ambiental ligados a SOLCHA pelo Centro Universitário de Anápolis (UniEVANGÉLICA) e pela Universidade Federal de Santa Catarina. A III Circular pode ser acessada clicando aqui.





quinta-feira, 4 de maio de 2017

Trabalhos apresentados no ST História Ambiental e o Desenvolvimento Regional

Ocorreu neste quinta-feira o Simpósio Temático: História Ambiental e o Desenvolvimento Regional, na XXIV Semana Acadêmica de História coordenada pelo CAHClio e Departamento de História e Geografia da FURB. Entre os trabalhos inscritos, e apresentados, os estudantes bolsistas do grupo apresentaram recortes de suas pesquisas de Iniciação Científica financiadas pelos programas FUMDES, PIPe, e PIBIC. O estudo Memórias sobre o uso do solo em Dona Emma e suas transformações ambientais foi apresentado pelo graduando em História Wilham Zilz, sob orientação do Dr. Gilberto Friedenreich dos Santos. O estudo Memória do uso de plantas exóticas na região do Parque Nacional da Serra do Itajaí (Blumenau, Indaial e Gaspar-SC) foi apresentado pela graduanda em Engenharia Florestal Jaqueline Gonçalves Amaro sob orientação da Ms. Vanessa Dambrowski. E o trabalho Apontamentos sobre o desenvolvimento regional no entorno do Parque Nacional da Serra do Itajaí (Blumenau e Indaial-SC) foi apresentanto pelo graduando em Ciências Biológicas Dilso Roecker Jr. sob orientação do Ms. Martin Stabel Garrote.

Além das pesquisas desenvolvidas pelo GPHAVI, foi apresentado no simpósio dois trabalhos do LABIMHA-UFSC:  Imigração polonesa e agricultura no Paraná uma paisagem antrópica (Tomas Coelho - XIX), de autoria da mestranda em História Fabiana Carla Guarez, bolsista CAPES, e o trabalho Os caminhos dos ervais: o vale do rio Negro nos mapas da exploração da erva-mate, de autoria da graduanda em história Valéria Felczak, bolsista PET, ambos os estudos sob orientação do Dr. João Klug. Pela FURB também foi apresentado o estudo As condições do trabalho no modo de produção capitalista, de autoria do mestrando em Desenvolvimento Regional, bolsista CAPES Guilherme Augusto Hilário Lopes e de sua companheira, graduanda em Ciências Sociais Tairine Gabriela Pereira Lopes. Os autores que apresentaram seus estudos serão certificados pelo evento, e seus resumo publicados em Anais, e caso tenham interesse poderão encaminhar texto completo para publicação, conforme normas no site do evento.

sexta-feira, 28 de abril de 2017

Relação de Trabalhos aprovados no Simpósio Temático - História Ambiental e o Desenvolvimento Regional - XXIV SEMANA ACADÊMICA DE HISTÓRIA - FURB

Já está disponível a relação de trabalhos aprovados no Simpósio Temático História Ambiental e o Desenvolvimento Regional da XXIV Semana Acadêmica de História do curso de História da FURB. Para Acessar Clique Aqui. As atividades do Simpósio Ocorrerão dia 04/05 a partir das 14 horas, na Sala 506 no Bloco I, Campus 1. Além de apresentar o estudo, o artigo completo poderá ser encaminhado para ser publicado nos anais do evento. Saiba mais clicando aqui. Para saber a relação completa dos trabalhos que serão apresentados no evento, clique aqui.

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Premio Elinor Melville para livros de História Ambiental

Para quem publicou livros com o foco da História Ambiental as inscrições para concorrer ao premio Elinor Melville encerram início de junho. Para saber mais acesse aqui.

terça-feira, 4 de abril de 2017

Chamada de bolsista GPHAVI

Estão disponíveis duas vagas para a Bolsa PIPe IC

Requisitos para o candidato (bolsista): 
a) ter cadastro socioeconômico em 2017/1 aprovado e com pontuação menor ou igual ao limite proposto pela Coordenadoria de Assuntos Estudantis - CAE para bolsas de iniciação científica; 
b) ter cadastro atualizado em 2017/1 no Programa de Bolsas Universitárias de Santa Catarina – UNIEDU (www.uniedu.sed.sc.gov.br); 
c) dispor de 20 (vinte) horas semanais, distribuídas de acordo com as atividades propostas pelo projeto de pesquisa; 
d) não receber bolsa de estudo do Artigo 170, bolsa de estudo ou pesquisa do Artigo 171, PROESDE ou Fundo Social durante o período de execução do projeto de pesquisa; 
e) não receber outra bolsa cumulativamente conforme artigo 6º da Resolução nº 072/2014; 
f) não receber mais de 75% (setenta e cinco por cento) de financiamento do FIES – Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior; 
g) não estar inadimplente com a PROPEX; 
h) ter cumprido 20 horas de atividades educativas em projetos sociais vinculados à extensão universitária, por semestre, caso tenha recebido uma ou mais parcelas de bolsa de estudo ou de pesquisa do Artigo 170. 

Documentos para indicação de bolsista: 
a) Ficha de inscrição do bolsista, disponível no sítio da FURB; 
b) Fotocópia do resumo de matrícula do bolsista. 

O bolsista contratado terá direito a receber 8 (oito) parcelas de R$ 750,00 (setecentos e cinquenta reais). Esse valor poderá variar, pois de acordo com a legislação estadual o valor não poderá ser inferior a 25% nem superior ao valor da mensalidade do bolsista.  Para a PROPEX FURB o estudante deverá elaborar durante sua vigencia de bolsa 2 relatórios. O relatório parcial, a ser entregue dia 02/10/2017 e o relatório final 12/03/2018. No laboratório do GPHAVI o bolsista deverá executar as atividades, cumprindo horário estabelecido, entre 02/05 até 12/03/2018 (seguindo o calendário funcional da FURB). 

As pesquisas são interdisciplinares e os estudantes da FURB interessados nas temáticas e na bolsa de IC devem preencher A intenção de Bolsista, entrar em contato no laboratório, Campus 1, Bloco R, sala 109, levando impresso, ou encaminhar para o e-mail indicado na ficha. Maiores informações ligar para (47)33210438.

domingo, 2 de abril de 2017

IX Encontro Regional Sul de História Oral

O IX Encontro Regional Sul de História Oral será realizado em Porto Alegre, nas dependências do Centro Histórico-Cultural Santa Casa (CHC), entre os dias 20 e 23 de agosto de 2017. É uma iniciativa da Associação Brasileira de História Oral em parceria com o CHC, e conta com o apoio, na organização, de representantes de universidades e instituições de memória dos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. O Encontro tem como tema História Oral: democracia, direitos e diversidade. Para saber mais clique aqui.





quinta-feira, 30 de março de 2017

História Ambiental e o Desenvolvimento Regional é o tema do ST do grupo na XXIV Semana Acadêmica de História

Desde 2004 o GPHAVI – Grupo de Pesquisas de História Ambiental do Vale do Itajaí realiza atividades de pesquisa com a temática da História Ambiental agregando estudantes da graduação de diversas áreas do saber. O simpósio busca promover um espaço para divulgação dos estudos realizados, e de estudos realizados por outros pesquisadores da nossa região, que se preocupam nas suas pesquisas em narrar como ocorre a História das relações, interações e interdependências da sociedade na natureza, e vice-versa, evidenciando como se organiza o modelo e os processos do Desenvolvimento Regional, e sua Problemática Ambiental.

Proponentes: Prof. Dr. Gilberto Friedenreich dos Santos
Prof. Me. Martin Stabel Garrote


​Para saber como se inscrever neste simpósio temático acesse aqui. Acesse aqui a página da XXIV Semana Acadêmica de História.

quarta-feira, 29 de março de 2017

Cinco razões pelas quais a economia está falhando com o ambiente e a humanidade.

O mundo entrou no Antropoceno. Nós somos hoje um "mundo grande em um planeta pequeno" onde a economia exerce uma pressão fenomenal na terra. Não existe capital natural livre. Toda a biodiversidade restante, água doce, atmosfera, recifes de coral, oceanos, florestas e manto de gelo desempenham um papel direto na regulação da estabilidade da Terra e, portanto, da economia. O problema é que nosso sistema econômico foi desenvolvido, de Adam Smith a Keynes, quando ainda éramos um "mundo pequeno em um grande planeta". Quando não havia fronteiras e a ideia da economia global afetando o planeta era vista como ridícula. Poderíamos emitir gases de efeito estufa para os oceanos livres e vazios, gratuitamente, poluir as regiões polares gratuitamente, sem arriscar que as faturas sejam enviadas da Terra. Continua....


Texto escrito por Johan Rockstrom, Diretor executivo do Centro de Resiliências de Estocolmo, Universidade de Estocolmo. Para ver o texto na integra clique aqui
O texto foi divulgado no correio SOLCHA pelo colega Guillermo Castro Herrera. 

segunda-feira, 27 de março de 2017

Grupo aprova duas pesquisas e disponibiliza duas bolsas PIPe para estudantes da FURB.


CHAMADA DE BOLSISTA
 (IC PIPe Art.170)

O Grupo aprovou pelo PIPe Art. 170 na FURB duas pesquisas com fomento de bolsa para a Iniciação Científica. Dando sequência ao projeto em parceria com o Centro de Memórias do Município de Dona Emma, atividade que vai para o seu 3º ano, mais informações serão analisadas através da pesquisa História Ambiental do município de Dona Emma (Vale do Itajaí, Santa Catarina). A segunda pesquisa História Ambiental do entorno oeste do Parque Nacional da Serra do Itajaí está integrada no desenvolvimento do projeto História Ambiental e Desenvolvimento Regional do Parque Nacional da Serra do Itajaí, pesquisa em desenvolvimento do Doutorado no PPG Desenvolvimento Regional da FURB. Havendo essas duas pesquisas o grupo abre seleção para candidatos às bolsas de IC.

Requisitos para o candidato (bolsista): 
a) ter cadastro socioeconômico em 2017/1 aprovado e com pontuação menor ou igual ao limite proposto pela Coordenadoria de Assuntos Estudantis - CAE para bolsas de iniciação científica; 
b) ter cadastro atualizado em 2017/1 no Programa de Bolsas Universitárias de Santa Catarina – UNIEDU (www.uniedu.sed.sc.gov.br); 
c) dispor de 20 (vinte) horas semanais, distribuídas de acordo com as atividades propostas pelo projeto de pesquisa; 
d) não receber bolsa de estudo do Artigo 170, bolsa de estudo ou pesquisa do Artigo 171, PROESDE ou Fundo Social durante o período de execução do projeto de pesquisa; 
e) não receber outra bolsa cumulativamente conforme artigo 6º da Resolução nº 072/2014; 
f) não receber mais de 75% (setenta e cinco por cento) de financiamento do FIES – Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior; 
g) não estar inadimplente com a PROPEX; 
h) ter cumprido 20 horas de atividades educativas em projetos sociais vinculados à extensão universitária, por semestre, caso tenha recebido uma ou mais parcelas de bolsa de estudo ou de pesquisa do Artigo 170. 

Documentos para indicação de bolsista: 
a) Ficha de inscrição do bolsista, disponível no sítio da FURB; 
b) Fotocópia do resumo de matrícula do bolsista. 

O bolsista contratado terá direito a receber 8 (oito) parcelas de R$ 750,00 (setecentos e cinquenta reais). Esse valor poderá variar, pois de acordo com a legislação estadual o valor não poderá ser inferior a 25% nem superior ao valor da mensalidade do bolsista.  Para a PROPEX FURB o estudante deverá elaborar durante sua vigencia de bolsa 2 relatórios. O relatório parcial, a ser entregue dia 02/10/2017 e o relatório final 12/03/2018. No laboratório do GPHAVI o bolsista deverá executar as atividades, cumprindo horário estabelecido, entre 02/05 até 12/03/2018 (seguindo o calendário funcional da FURB). 

As pesquisas são interdisciplinares e os estudantes da FURB interessados nas temáticas e na bolsa de IC devem preencher A intenção de Bolsista, entrar em contato no laboratório, Campus 1, Bloco R, sala 109, levando impresso, ou encaminhar para o e-mail indicado na ficha. Maiores informações ligar para (47)33210438.


quinta-feira, 23 de março de 2017

Pesquisadora do grupo fala em matéria sobre problemas ambientais na obra da Rua Humberto de Campos

Ocupando as áreas verdes da cidade, prejudicando os corredores ecológicos entre UCs, matas ciliares e ilhas de floresta, o prolongamento da rua Humberto de Campos e os problemas com os animais silvestres foi matéria hoje no Jornal do Almoço da Ric Record. Na matéria a pesquisadora Vanessa trata do que deve ser feito para amenizar a obra. Veja a seguir a matéria completa.

quarta-feira, 22 de março de 2017

III Escola de pós-graduação da Sociedade Latino Americana e Caribenha de História Ambiental

Já está disponível o formulário para inscrição na III Escola da Pós-graduação da SOLCHA. Os estudos ocorrerão no Centro Universitário de Anápolis UniEVANGELICA (Goiás) entre 24 e 27 de outubro de 2017. São oferecidas 20 vagas para alunos de pós-graduação (Mestrado e Doutorado) que estejam em seus estudos adotando a abordagem teórica-metodológica da História Ambiental. Acesse a 2º e 3º Circular para maiores informações, clique aqui. E para ver ou realizar sua inscrição clique aqui.