"Eu sou o que me cerca. Se eu não preservar o que me cerca, eu não me preservo".
José Ortega y Gasset

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

XXVI Semana Acadêmica do Curso de História da FURB

A XXVI Semana Acadêmica de História, organizada pelo Centro Academico CAHClio e Departamento de História e Geografia será realizada entre os dias 06 e 10 de maio de 2019. O tema da semana neste ano é "Prática e Saberes de um Historiador: arquivos, historiografias e didática da História". É um evento consolidado e que possui abertura para estudantes da graduação submeterem seus estudos e pesquisas em andamento. Para saber mais sobre o evento acessem a página clicando aqui.

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

Texto: Desastre en el Territorio de la Minería en Minas Gerais


Desastre en el Territorio de la Minería en Minas Gerais

Haruf Salmen Espindola[i]
Diego Jeangregório Martins Guimarães
Iesmy Elisa Gomes Mifarreg

En Brasil, el 25 de enero de 2019, ocurrió la rotura de la presa de desechos de mineral de hierro de la compañía Vale S/A, en la localidad denominada Córrego do Feijão, en el Municipio de Brumadinho, en la región metropolitana de Belo Horizonte, capital del Estado de Minas Gerais. La Mina do Feijão explorada por Vale era parte del Complejo de Paraopeba, constituido por 13 estructuras utilizadas para la extracción de mineral de hierro, cuya participación correspondía al 7% de la producción de la empresa en 2018. El complejo minero de la mina de Córrego do Feijão contaba con siete presas de desechos, siendo que aguas abajo de la presa que se rompió había una situación completamente atípica frente a las normas técnicas en vigor e, inclusive al sentido común. Las infraestructuras construidas, para el funcionamiento de los sectores administrativos, comedor, oficinas de mantenimiento, terminal de cargas y la pequeña red ferroviaria, estaban instalados justo abajo de la presa de desechos.

La presa que se rompió, construida en 1976, almacenaba 12 millones de metros cúbicos de desechos. El tipo de relieve y las estructuras construidas facilitaron el rápido desplazamiento (...) para continuar a ler este texto clique aqui.

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019

Nota do GT História Ambiental do Ceará - Brumadinho: Não foi acidente!

Fonte da imagem:https://correio-cdn1.cworks.cloud/fileadmin/_processed_/8/2/csm_brumadinho_8fa10c0ad0.jpg

Nós do GPHAVI compartilhamos aqui a nota emitida pelo GT de História Ambiental do Ceará sobre o ocorrido em Brumadinho, nota transcrita e ratificada pelo GT NACIONAL DE HISTÓRIA AMBIENTAL - grupo da ANPUH:

BRUMADINHO: NÃO FOI ACIDENTE!

O Grupo de Trabalho de História Ambiental do Ceará manifesta por meio desta nota sua solidariedade às vítimas do crime socioambiental que ocorreu na barragem do Feijão, Brumadinho-MG, sob a responsabilidade da empresa Vale S. A. Ao mesmo tempo, esclarecemos que prestar solidariedade às vítimas dessa tragédia significa também exigir que a empresa seja devidamente responsabilizada por esse ecocídio, que, assim como o que ocorreu em 2015 pela Samarco, é fruto da negligência, ganância, afrouxamentos da legislação e da fiscalização ambiental, bem como da certeza da impunidade por parte de um Estado submetido à logica neoliberal.
Ressaltamos a importância de todos permanecermos cada vez mais atentos e ativos na luta contra retrocessos legais e ataques aos mais vários sistemas ecológicos. Nos últimos anos, especialmente em nosso continente latino-americano, a ascensão de ameaças à democracia vem impactando de modo cada vez mais violento o vasto conjunto que engloba as mais diversas sociedades humanas e o ambiente que as cercam. No caso mais específico do Ceará, não faltam também casos graves nesse sentido, como uso indevido das águas, problemas ambientais decorrentes da termelétrica e siderúrgica no porto do Pecém; construções inapropriadas de parques de energia eólica; exploração de urânio em Santa Quitéria, difusão de latifúndios e uso de agrotóxicos em larga escala.
Portanto, é urgente que nos mobilizemos diante desses ataques e crimes socioambientais que tendem, na atual conjuntura, a ser cada vez mais frequentes. Estamos certos de que a luta pela democracia envolve também a defesa de práticas e gestões mais democráticas dos ambientes onde vivemos, respeitando e valorizando a diversidade de agentes humanos e não-humanos presentes nos ecossistemas.
Fortaleza, 6 de fevereiro de 2019. Grupo de Trabalho em História Ambiental do Ceará

terça-feira, 5 de fevereiro de 2019

Pesquisador do grupo participa de projeto sobre Gestão das Águas

O pesquisador Dr. Gilberto Friedenreich dos Santos participará do projeto  ARENAS, DISPUTAS E DESAFIOS NOS MULTIPLOS ARRANJOS DE GESTÃO DAS ÁGUAS coordenado pela Dra. Cristiane Mansur de Morais Souza.
Conforme Gilberto, a pesquisa é uma parceria entre os grupos de pesquisa: Análise Ambiental e Ecodesenvolvimento (Departamento de Arquitetura e PPGDR), o Núcleo de Pesquisas em Desenvolvimento Regional (Departamento de Economia e PPGDR) e o GPHAVI da FURB. O objetivo é analisar como são adotados os mecanismo de gestão das águas em três diferentes arranjos institucionais de governança dos recursos hídricos, sendo analisado o Semiárido Nordestino, Rio de Janeiro e Santa Catarina. A pesquisa é financiada através do fomento do edital MCTIC/CNPq n.28/2018 Universal. Segundo o pesquisador a pesquisa proporcionará proposições de alternativas de governança para a gestão das águas nessas regiões.

domingo, 3 de fevereiro de 2019

História Ambiental se despede de Donald Hughes

O historiador ambiental Donald Hughes faleceu na manha de hoje (03/02/2019) em sua casa no lago Worth na Flórida. Hughes publicou importantes obras para a História Ambiental (clique aqui e veja relação completa). Sua contribuição o torna imortal.








sábado, 26 de janeiro de 2019

Desastre em Brumadinho - MG

Figura 1
A mineradora Vale adotou em 2017 o lema ‘Mariana nunca mais’, em alusão ao acidente na barragem da mineradora Samarco, ocorrido há 3 anos, e que destruiu a bacia do rio Doce. A Samarco é controlada pelas mineradoras Vale e BHP Billiton. Pois Mariana voltou a acontecer nesta sexta-feira (25), em doses (por enquanto) menores do ponto de vista ambiental e maiores do ponto de vista humano. Se a tragédia ocorrida em novembro de 2015 deixou 19 mortos, na de hoje estão confirmados 7 mortos e mais de 150 pessoas desaparecidas. No total, três barragens de rejeitos de mineração se romperam no fim da manhã desta sexta-feira (25), mudando a paisagem do município de Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. De acordo com o Corpo de Bombeiros, até o início da noite 189 pessoas foram resgatadas com vida. Parte são funcionários da própria Vale, que estavam almoçando no momento do acidente. A lama atingiu o rio Paraopeba, ‒ que faz parte do sistema de abastecimento de água da região metropolitana de Belo Horizonte ‒, e segue a caminho do município de Betim e Pará de Minas.



As prefeituras pediram para que moradores esvaziem casas próximas das margens do rio. A lama deverá atingir a hidrelétrica de Retiro Baixo, localizada entre os municípios de Curvelo e Pompeu, no domingo. Segundo a Agência Nacional de Águas (ANA), órgão agora ligado ao Ministério do Desenvolvimento Regional, a hidrelétrica deve amortecer a onda de rejeitos. Se a lama for segurada, Furnas terá uma hidrelétrica a menos, mas isso evitará que a lama chegue ao rio São Francisco. Se transbordar, a tragédia de Brumadinho tem chances de superar Mariana no posto de maior tragédia ambiental da história. Para ler a continuação dessa matéria clique aqui.

-Fonte do texto: BRAGANÇA, Daniele. Vale repete Mariana e rejeitos poderão chegar ao rio São Francisco.  O ECCO. Disponível em: https://www.oeco.org.br/noticias/vale-repete-mariana-e-rejeitos-poderao-chegar-ao-rio-sao-francisco/ Acesso em 25 de janeiro de 2019.
-Fonte da FIGURA 1: https://br.jetss.com/noticias/brasil/2019/01/artistas-lamentam-acidente-em-brumadinho/  Disponível em  Acesso 26 de janeiro de 2019.

Veja também:

“As mineradoras em Minas fazem o que bem entendem”, diz jornalista que escreveu livro sobre Mariana - clique aqui.

Expansão de mineração em Brumadinho foi aprovada com licença simplificada - clique aqui.





quinta-feira, 24 de janeiro de 2019

Pesquisadores participam na elaboração do Plano de Manejo do Parque Natural Municipal Freymund Germer - Morro Azul

O Plano de Manejo do Parque Natural Municipal Freymund Germer ou Morro Azul foi elaborado através de um convênio entre a prefeitura de Timbó e a FURB, Departamento de Engenharia Florestal. O GPHAVI participou com seus pesquisadores que foram envolvidos em diferentes etapas na pesquisa e elaboração do Plano de Manejo, com envolvimento diretamente dos pesquisadores Carlos Eduardo Zimmermann, Vanessa Dambrowski, Martin Stabel Garrote, Shimene Feuser e Gilberto Friedenreich dos Santos, e os bolsistas Jaqueline Gonçalvez Amaro, Taníse Kraemer Oliveira, Irving Farias Gomes da Silva e Dilso Roecker Junior. 
O Plano de Manejo é um documento que representa um instrumento que fornece diretrizes para a gestão do parque. E agora com ele, a prefeitura poderá realizar uma gestão voltada para o que a comunidade e pesquisadores diagnosticaram e planejaram. Os pesquisadores do GPHAVI envolvidos participaram na coordenação das atividades, redação e organização do documento, no levantamento dos aspectos históricos e socioeconômicos, na declaração de significância, no planejamento, e diagnostico e projeto de educação ambiental. Para conhecer o documento na integra clique aqui

Veja Também:
>Parceria promove elaboração do Plano de Manejo do Morro Azul - clique aqui
>Timbó recebe da FURB Plano de Manejo do Morro Azul - clique aqui.
>Lei cria o Parque Morro Azul - clique aqui

domingo, 6 de janeiro de 2019

72,758 visualizações em 10 anos do blog do GPHAVI

Agradecemos a todos os visitantes e colaboradores, em janeiro de 2019 atingimos mais de 72 mil visualizações no Blog. Desde 2009 quando criado o blog, seu objetivo foi divulgar as atividades do GPHAVI e assuntos da História Ambiental. O público que visita o blog vem de todos os cantos, quantidade de acessos de diversos países. 

sexta-feira, 4 de janeiro de 2019

STs de História Ambiental propostos pelo GT Nacional de História Ambiental no 30º Simpósio Nacional de História da ANPUH

Na página do GT Nacional História Ambiental foram divulgados os dois simpósios temáticos propostos para o 30º Simpósio Nacional de História.


> 061. História Ambiental: ciência, sociedade e biodiversidade: coordenado por Susana Cesco (Universidade Federal Fluminense) e Ely Bergo de Carvalho (Universidade Federal de Minas Gerais);

>062. História Ambiental: espaço, território e natureza: coordenado por Haruf Salmen Espindola (UNIVALE) e Dora Shellard Corrêa (IEB-USP)

O prazo para inscrição de trabalhos nos simpósios temáticos inicia em 14 jan. 2019 e termina em 22 mar. 2019.

sábado, 22 de dezembro de 2018

Que venha um novo ciclo

BOAS FESTAS E FELIZ 2019
Foto entardecer Alto Subida, Lontras - SC. Martin Stabel Garrote, dez 2018.

quarta-feira, 19 de dezembro de 2018

Encerramento das atividades 2018

Ultimo encontro de 2018 dos pesquisadores no laboratório do GPHAVI. 

quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

Hoje teve apresentação de TCC de Wilham Verner Zilz

Da esquerda para a direita, Dr. Leonardo Brandão, Dr. Martin Stabel Garrote, o Zilz, Dra Cristina Ferreira e Dr. Gilberto (orientador)

segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

Divulgada lista do TCCs da História FURB, olha tem um gphaviano por lá....

























Dia 06 ocorrerá a defesa do TCC do nosso assistente de pesquisa, bolsista em 3 IC no grupo e que finaliza seu curso de História com trabalho na área de História Ambiental. Zilz é o 6º trabalho de TCC de graduação produzido através do grupo.

quarta-feira, 21 de novembro de 2018

Pesquisadores lançam livro sobre o Desastre de 2008 do Vale do Itajaí

Durante o Seminário Desastre 2008+10 Vale do Itajaí os pesquisadores do Grupo de Pesquisa Interdisciplinar em Gestão de Risco de Desastre da FURB lançam o livro Desastre de 2008+10 Vale do Itajaí: água, gente e política - Aprendizados, é um resultado de 10 anos de pesquisas após o evento em 2008. Para acessar o livro e outras publicações do grupo clique aqui. 


quarta-feira, 31 de outubro de 2018

Pesquisadores da FURB lançam Atlas da Bacia Hidrográfica do Itajaí

Foi lançado o Atlas da Bacia Hidrográfica do Itajaí: Formação, Recursos Naturais e Ecossistemas, um material resultante de 20 anos de pesquisa envolvendo diversos pesquisadores da FURB e UFSC. 
As informações técnicas e científicas contidas no material são uma referência importante para os estudos de História Ambiental do Vale do Itajaí. Destacamos aqui o capítulo 3, escrito pelo pesquisador Gilberto Friedenreich dos Santos que trqata da Geomorfologia do Vale do Itajaí.
O material está disponível para consulta e download na Biblioteca da FURB. Para acessar o material clique aqui.

quinta-feira, 27 de setembro de 2018

Aconteceu na MIPE 2018 FURB

Nesta MIPE tivemos a exposição do resumo de duas pesquisas realizadas por estudantes da graduação através de programas de fomento público. Tanto Dilso quanto Kayuã estão de parabéns. Assim como todos os estudantes e pesquisadores participantes, e envolvidos no evento, muito bem organizado. Com estas pesquisas divulgadas acrescemos conhecimento no entendimento da História Ambiental do Vale do Itajaí. Da mesma forma conseguimos contribuir na formação, com a experiência da pesquisa científica, e como "canal" para auxiliar financeiramente os estudantes no custeio de suas formações pela FURB. Durante o evento encontramos a pesquisadora Dra Eunice Sueli Nodari, nossa colega da História Ambiental, que na ocasião estava como avaliadora do CNPq na mostra. Foi um encontro rápido e fica registrado o momento. 
Vanessa, Eunice, Martin e o pequeno Alfredo

sábado, 22 de setembro de 2018

MIPE 2018

Ocorreu entre 19 e 21 a MIPE 2018 na FURB. Do nosso grupo foram apresentados dois estudos. Confira os resumos nos Anais do Evento. Na foto temos o estudante de Ciências Biológicas Dilso Roecker Júnior, estudante que realizou com está pesquisa três iniciações científicas no nosso grupo. A pesquisa foi fruto de uma parceria com a Gestão da UC, FATMA, e GPHAVI.





Pesquisa PIBIC-FURB:
INVESTIGANDO A HISTÓRIA AMBIENTAL DA RESERVA BIOLÓGICA CANELA PRETA, SANTA CATARINA 
Pesquisa coordenada por Gilberto Friedenreich dos Santos. Orientação de Vanessa Dambrowski.
Bolsista: Dilso Roecker Júnior - Painel 24 da 5ª Sessão de painéis - 20/09 - 16h.



Também foi apresentado os resultados da pesquisa História Ambiental do entorno oeste do Parque Nacional da Serra do Itajaí, pesquisa decorrente dos estudos de tese do pesquisador Martin, foi desenvolvida pelo estudante Kayuã Girardi das Ciências Sociais. 

HISTÓRIA AMBIENTAL DO ENTORNO OESTE DO PARQUE NACIONAL DA SERRA DO ITAJAÍ
Pesquisa coordenada por Gilberto Friedenreich dos Santos. Orientação de Martin Stabel Garrote.
Bolsista: Kayuã Girardi - Painel 43 da 3ª Sessão de painéis - 20/09 - 9h.

segunda-feira, 17 de setembro de 2018

Iniciações científicas do GPHAVI serão apresentadas na MIPE 2018.

Nesta edição da MIPE FURB o GPHAVI apresentará os seguintes estudos:

Pesquisa PIPe:
HISTÓRIA AMBIENTAL DO ENTORNO OESTE DO PARQUE NACIONAL DA SERRA DO ITAJAÍ
Pesquisa coordenada por Gilberto Friedenreich dos Santos. Orientação de Martin Stabel Garrote.
Bolsista: Kayuã Girardi - Painel 43 da 3ª Sessão de painéis - 20/09 - 9h.

Pesquisa PIBIC-FURB:
INVESTIGANDO A HISTÓRIA AMBIENTAL DA RESERVA BIOLÓGICA CANELA PRETA, SANTA CATARINA
Pesquisa coordenada por Gilberto Friedenreich dos Santos. Orientação de Vanessa Dambrowski.
Bolsista: Dilso Roecker Júnior - Painel 24 da 5ª Sessão de painéis - 20/09 - 16h.

segunda-feira, 10 de setembro de 2018

quarta-feira, 1 de agosto de 2018

Pesquisador do grupo desenvolve iniciação científica com o ensino médio na temática da Tecnologia Social

O pesquisador Nelson Afonso Garcia Santos aprovou no Edital PIBIC-Ensino Médio o projeto Tecnologia social e ecologismo: limites e potencialidades a partir da análise de experiências identificadas na Fundação Banco do Brasil. A pesquisa será desenvolvida no laboratório do grupo por um estudante do ensino médio da Escola Técnica do Vale do Itajaí - ETEVI.

quinta-feira, 12 de julho de 2018

OPORTUNIDADE DE BOLSAS PIBIC 2018

O GPHAVI está selecionando estudantes da graduação FURB para realizar atividades de Iniciação Científica e receber bolsa PIBIC (CNPQ e FURB). Acesse a página da chamada clicando aqui.

quarta-feira, 11 de julho de 2018

Pesquisa de IC promove organização do acervo do GPHAVI e analisa sua importância para compreender o Desenvolvimento Regional no entorno do Parque Nacional da Serra do Itajaí

Através da pesquisa de IC O acervo do Grupo de Pesquisas de História Ambiental do Vale do Itajaí e sua contribuição para análise do desenvolvimento regional no entorno do Parque Nacional Serra do Itajaí-SC os pesquisadores Gilberto Friedenreich dos Santos e Martin Stabel Garrote, com apoio de um estudante da graduação pretendem investigar a contribuição das informações do acervo de entrevistas do GPHAVI para o estudo do desenvolvimento regional do entorno do PNSI. Como procedimentos metodológicos o acervo será identificado, analisado e listado para compreender os processos de desenvolvimento de cada comunidade encontrada. Com o levantamento total será possível ter um panorama dos principais processos do desenvolvimento regional presentes na história do território que hoje compreende o parque.

O grupo está selecionando estudantes para a vaga desta Bolsa CNPq. Os interessados deverão comparecer no laboratório do grupo entre 10 até 26 de julho (Lab na sala R-109, ou escritório na R-310) ou procurar pelos professores Gilberto Friedenreich dos Santos no (47)3321 0650 (gilbertofrieden@gmail.com) ou com Martin Stabel Garrote no (47)3321-0438 (martin_stabelgarrote@yahoo.com.br). 

terça-feira, 10 de julho de 2018

Pesquisa PIBIC CNPQ analisará a produção do arroz em Massaranduba-SC

Através do projeto de pesquisa A produção do Arroz no município de Massaranduba (Santa Catarina): sociedade, tecnologia e natureza, o pesquisador Gilberto Friedenreich dos Santos e sua orientanda de doutorado Ana Paula Tabosa dos Santos Sanches, com apoio de um estudante da graduação vão analisar a relação da tecnologia, sociedade e natureza na rizicultura no município de Massaranduba a partir de uma perspectiva histórica e as transformações ambientais provocadas por essa relação. Os objetivos específicos da pesquisa são: a) investigar a evolução da tecnologia empregada na rizicultura; b) identificar e analisar os padrões de desenvolvimento da tecnologia na rizicultura; c) entender a percepção dos agricultores sobre as inovações tecnológicas na rizicultura; e d) compreender as transformações ambientais causadas pelas técnicas empregadas na rizicultura, e se essas técnicas reduziram os impactos ambientais negativos (uso de agrotóxicos e consumo de água) ao longo do tempo. A metodologia desta pesquisa propõe uma abordagem qualitativa buscando instrumentos que possibilitem compreender a relação entre homem, natureza e tecnologia na rizicultura. A pesquisa será desenvolvida em duas etapas: a primeira consiste no levantamento de dados secundários por meio de revisão bibliográfica, e a segunda no levantamento de dados primários utilizando-se de entrevistas com diferentes atores da agricultura de Massaranduba/SC.

O grupo está selecionando estudantes para a vaga desta Bolsa CNPq. Os interessados deverão comparecer no laboratório do grupo entre 10 até 26 de julho (Lab na sala R-109, ou escritório na R-310) ou procurar pelos professores Gilberto Friedenreich dos Santos no (47)3321 0650 (gilbertofrieden@gmail.com) ou com Martin Stabel Garrote no (47)3321-0438 (martin_stabelgarrote@yahoo.com.br). 

segunda-feira, 9 de julho de 2018

GPHAVI aprova duas Iniciações Científicas com recursos PIBIC CNPq e FURB

O Grupo de pesquisa aprova dois projetos de Iniciação Científica com recursos do programa PIBIC. Com recursos do CNPQ o projeto A PRODUÇÃO DE ARROZ NO MUNICÍPIO DE MASSARANDUBA (SANTA CATARINA): SOCIEDADE, TECNOLOGIA, E NATUREZA, e com recursos da FURB o projeto O ACERVO DO GRUPO DE PESQUISAS DE HISTÓRIA AMBIENTAL DO VALE DO ITAJAÍ E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA ANÁLISE DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL NO ENTORNO DO PARQUE NACIONAL DA SERRA DO ITAJAÍ - SC. O grupo contratará mais dois estudantes da graduação para o desenvolvimento dos projetos até dia 26.

quinta-feira, 14 de junho de 2018

Café de 15 anos do GPHAVI

Na tarde de hoje realizamos um café para comemorar os 15 anos do grupo de pesquisa. Foi uma tarde de boas conversas e degustação de café com cuca e demais petiscos. O café foi organizado pelos estudantes envolvidos nas pesquisas, os bolsistas Kayuã, João, Juliano e Denis e a pesquisadora Dr. Adiléia. 

Parabéns ao grupo.

segunda-feira, 11 de junho de 2018

Exposição comemora os 15 anos do Grupo de Pesquisa de História Ambiental do Vale do Itajaí na FURB

Em comemoração ao aniversário de 15 anos do grupo de pesquisa, pesquisadores e bolsistas organizaram um exposição para mostrar um pouco da história do grupo e sua atuação na universidade. A Exposição 15 Anos do Grupo de Pesquisa de História Ambiental do Vale do Itajaí ocorre entre 11/06 até 22/06 no hall de entrada do Centro de Ciências Humanas e da Comunicação. Nele os visitantes poderão ver poster que contam a história, a produção científica e fatos marcantes desses 15 anos do grupo. ,


terça-feira, 5 de junho de 2018

15 anos de Grupo de Pesquisa de História Ambiental do Vale do Itajaí

O GPHAVI comemora neste cinco de junho seus 15 anos de pesquisas de História Ambiental do Vale do Itajaí. Foram mais de 30 projetos de IC executados e mais de 40 estudantes passaram por aqui de diversos cursos de nossa FURB. 

Em julho de 2003 foram dados os primeiros passos das investigações com o enfoque da História Ambiental na universidade. Martin Stabel Garrote, na época, estudante da graduação de história apresentou ao professor Dr. Gilberto Friedenreich dos Santos um projeto para investigar a história das influências antrópicas na Floresta Atlântica do Parque das Nascentes, sul de Blumenau, trazendo a abordagem teórica e metodológica da História Ambiental. O projeto foi encaminhado em 2004 para programas institucionais de Iniciação Científica, aprovado pelo Programa de Incentivo a Pesquisa - PIPe Art. 170, para execução no período de maio de 2005 a abril de 2006. 

No dia 05 de junho de 2004, a fim de cumprir os requisitos institucionais para a realização de pesquisas foi criado o Grupo de Pesquisa de História Ambiental do Vale do Itajaí, sob a coordenação do professor Gilberto. A partir deste momento o tema da História Ambiental passa a ser abordado também como um assunto nas aulas do prof. Gilberto nas disciplinas de Geografia e Geohistória nos cursos de História e Ciências Sociais. 

Em 2006, foi elaborado o projeto guarda-chuvas do grupo intitulado História Ambiental do Vale do Itajaí. Nesse período o grupo é composto pelo prof. Gilberto, geógrafo, Martin, historiador e a bióloga Vanessa Dambrowski, passando a ter uma base interdisciplinar. A partir daí os pesquisadores iniciam um processo de investigações para organizar uma História Ambiental das Comunidades do Parque Nacional Serra do Itajaí, organizando e executando projetos com programas PIBIC e PIPe, assim como projetos com fomento da FAPESC e CNPq, e outras instituições. Estes estudos resultaram em conhecimentos divulgados em eventos e revistas científicas. No período também é desenvolvido vídeo documentário Memórias do Parque, tratando da História Ambiental do Parque das Nascentes, realizado com recursos do Fundo Cultural de Blumenau e distribuído nas escolas municipais e estaduais do município. 

A partir de 2007 o grupo passa a organizar reuniões quinzenais, estudando e pesquisando temas que contribuam com a organização de uma História Ambiental do Vale do Itajaí. A partir de 2008 o grupo consegue seu primeiro espaço físico, inicialmente junto ao Departamento de História e Geografia, e depois ocupando até 2010 a sala R-310, dependências do Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional. 

Em 2009 o Cientista Social Nelson Afonso Garcia integra o grupo. Na ocasião o pesquisador coordenou o projeto Preservação, conservação e uso público do acervo do Instituto Parque das Nascentes, desenvolvido com financiamento da Fundação Fritz Muller e em parceria com o Instituto Parque das Nascentes. 

Entre 2009 e 2010 os pesquisadores Gilberto e Martin coordenaram a disciplina de História Ambiental de Santa Catarina, na pós-graduação especialização de Ensino de Geografia de Santa Catarina, promovida pelo Departamento de História e Geografia. 

Em 2010 os pesquisadores e bolsistas do GPHAVI organizam um estatuto e iniciam um projeto para transformar o Grupo em ONG. Em 2011 o grupo realiza projeto com a temática de Arquivos e Museus, havendo a participação do historiador Dr. Paulo Henrique Martinez, da UNESP-SP. 

Entre 2012 e 2013 foi iniciado um projeto com parceria do ICMBio e IPAN a fim de investigar a história das antigas serrarias no território do Parque Nacional da Serra do Itajaí. O grupo passou a fazer parte da Rede Brasileira de História Ambiental, participando do GT Nacional da ANPUH de História Ambiental e coordenando junto com o Laboratório de Imigrações, Migrações e História Ambiental – LABIMHA da UFSC o GT de História Ambiental de Santa Catarina. 

Em 2014 foi realizada uma parceria com o Grupo de Estudo e Pesquisa em História Ambiental e Educação (GEPHAE), e o historiador Dr. Carlos Renato Carola passa a integrar a equipe do GPHAVI, assim como o pesquisador Martin integrar o GEPHAE, da UNESC – Universidade do Extremo sul Catarinense. 

Em 2015 atendendo uma resolução interna da FURB, os pesquisadores do grupo desenvolvem o Núcleo de Integração Ambiental, Sociedade e Sustentabilidade NIASS, núcleo vinculado às Licenciaturas da FURB e integrante do CCHC. 

Em 2016 no desenvolvimento de projetos com a temática da Biologia da Conservação, o biólogo Carlos Eduardo Zimmermann passa a integrar o grupo, e junto com a pesquisadora Vanessa desenvolvem a linha de pesquisa Ecologia da Paisagem. 

Em 2017, momento em que o grupo é composto por historiadores, sociólogos, geógrafos e biólogos, passa a integrar o grupo a antropóloga Adiléia Aparecida Bernando somando a linha de pesquisa de Antropologia. 

Em 2018 o GPHAVI soma 15 anos de estudos com a História Ambiental do Vale do Itajaí, em especial do Parque Nacional Serra do Itajaí em nove municípios, além de estudos em outras áreas protegidas do estado, resultando em um acervo de memória ambiental e conhecimentos da História Ambiental de Santa Catarina divulgados através da produção de artigos científicos publicados em eventos e revistas científicas, e também com divulgação no blog e página institucional da FURB.