O cientista deve preocupar-se em criar, despertar e estimular o interesse pela concepção de novos paradigmas e não limitar-se somente à transmissão de conhecimentos já estabelecidos.



segunda-feira, 24 de abril de 2017

Premio Elinor Melville para livros de História Ambiental

Para quem publicou livros com o foco da História Ambiental as inscrições para concorrer ao premio Elinor Melville encerram início de junho. Para saber mais acesse aqui.

terça-feira, 4 de abril de 2017

Chamada de bolsista GPHAVI

Estão disponíveis duas vagas para a Bolsa PIPe IC

Requisitos para o candidato (bolsista): 
a) ter cadastro socioeconômico em 2017/1 aprovado e com pontuação menor ou igual ao limite proposto pela Coordenadoria de Assuntos Estudantis - CAE para bolsas de iniciação científica; 
b) ter cadastro atualizado em 2017/1 no Programa de Bolsas Universitárias de Santa Catarina – UNIEDU (www.uniedu.sed.sc.gov.br); 
c) dispor de 20 (vinte) horas semanais, distribuídas de acordo com as atividades propostas pelo projeto de pesquisa; 
d) não receber bolsa de estudo do Artigo 170, bolsa de estudo ou pesquisa do Artigo 171, PROESDE ou Fundo Social durante o período de execução do projeto de pesquisa; 
e) não receber outra bolsa cumulativamente conforme artigo 6º da Resolução nº 072/2014; 
f) não receber mais de 75% (setenta e cinco por cento) de financiamento do FIES – Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior; 
g) não estar inadimplente com a PROPEX; 
h) ter cumprido 20 horas de atividades educativas em projetos sociais vinculados à extensão universitária, por semestre, caso tenha recebido uma ou mais parcelas de bolsa de estudo ou de pesquisa do Artigo 170. 

Documentos para indicação de bolsista: 
a) Ficha de inscrição do bolsista, disponível no sítio da FURB; 
b) Fotocópia do resumo de matrícula do bolsista. 

O bolsista contratado terá direito a receber 8 (oito) parcelas de R$ 750,00 (setecentos e cinquenta reais). Esse valor poderá variar, pois de acordo com a legislação estadual o valor não poderá ser inferior a 25% nem superior ao valor da mensalidade do bolsista.  Para a PROPEX FURB o estudante deverá elaborar durante sua vigencia de bolsa 2 relatórios. O relatório parcial, a ser entregue dia 02/10/2017 e o relatório final 12/03/2018. No laboratório do GPHAVI o bolsista deverá executar as atividades, cumprindo horário estabelecido, entre 02/05 até 12/03/2018 (seguindo o calendário funcional da FURB). 

As pesquisas são interdisciplinares e os estudantes da FURB interessados nas temáticas e na bolsa de IC devem preencher A intenção de Bolsista, entrar em contato no laboratório, Campus 1, Bloco R, sala 109, levando impresso, ou encaminhar para o e-mail indicado na ficha. Maiores informações ligar para (47)33210438.

domingo, 2 de abril de 2017

IX Encontro Regional Sul de História Oral

O IX Encontro Regional Sul de História Oral será realizado em Porto Alegre, nas dependências do Centro Histórico-Cultural Santa Casa (CHC), entre os dias 20 e 23 de agosto de 2017. É uma iniciativa da Associação Brasileira de História Oral em parceria com o CHC, e conta com o apoio, na organização, de representantes de universidades e instituições de memória dos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. O Encontro tem como tema História Oral: democracia, direitos e diversidade. Para saber mais clique aqui.





quinta-feira, 30 de março de 2017

História Ambiental e o Desenvolvimento Regional é o tema do ST do grupo na XXIV Semana Acadêmica de História

Desde 2004 o GPHAVI – Grupo de Pesquisas de História Ambiental do Vale do Itajaí realiza atividades de pesquisa com a temática da História Ambiental agregando estudantes da graduação de diversas áreas do saber. O simpósio busca promover um espaço para divulgação dos estudos realizados, e de estudos realizados por outros pesquisadores da nossa região, que se preocupam nas suas pesquisas em narrar como ocorre a História das relações, interações e interdependências da sociedade na natureza, e vice-versa, evidenciando como se organiza o modelo e os processos do Desenvolvimento Regional, e sua Problemática Ambiental.

Proponentes: Prof. Dr. Gilberto Friedenreich dos Santos
Prof. Me. Martin Stabel Garrote


​Para saber como se inscrever neste simpósio temático acesse aqui. Acesse aqui a página da XXIV Semana Acadêmica de História.

quarta-feira, 29 de março de 2017

Cinco razões pelas quais a economia está falhando com o ambiente e a humanidade.

O mundo entrou no Antropoceno. Nós somos hoje um "mundo grande em um planeta pequeno" onde a economia exerce uma pressão fenomenal na terra. Não existe capital natural livre. Toda a biodiversidade restante, água doce, atmosfera, recifes de coral, oceanos, florestas e manto de gelo desempenham um papel direto na regulação da estabilidade da Terra e, portanto, da economia. O problema é que nosso sistema econômico foi desenvolvido, de Adam Smith a Keynes, quando ainda éramos um "mundo pequeno em um grande planeta". Quando não havia fronteiras e a ideia da economia global afetando o planeta era vista como ridícula. Poderíamos emitir gases de efeito estufa para os oceanos livres e vazios, gratuitamente, poluir as regiões polares gratuitamente, sem arriscar que as faturas sejam enviadas da Terra. Continua....


Texto escrito por Johan Rockstrom, Diretor executivo do Centro de Resiliências de Estocolmo, Universidade de Estocolmo. Para ver o texto na integra clique aqui
O texto foi divulgado no correio SOLCHA pelo colega Guillermo Castro Herrera. 

segunda-feira, 27 de março de 2017

Grupo aprova duas pesquisas e disponibiliza duas bolsas PIPe para estudantes da FURB.


CHAMADA DE BOLSISTA
 (IC PIPe Art.170)

O Grupo aprovou pelo PIPe Art. 170 na FURB duas pesquisas com fomento de bolsa para a Iniciação Científica. Dando sequência ao projeto em parceria com o Centro de Memórias do Município de Dona Emma, atividade que vai para o seu 3º ano, mais informações serão analisadas através da pesquisa História Ambiental do município de Dona Emma (Vale do Itajaí, Santa Catarina). A segunda pesquisa História Ambiental do entorno oeste do Parque Nacional da Serra do Itajaí está integrada no desenvolvimento do projeto História Ambiental e Desenvolvimento Regional do Parque Nacional da Serra do Itajaí, pesquisa em desenvolvimento do Doutorado no PPG Desenvolvimento Regional da FURB. Havendo essas duas pesquisas o grupo abre seleção para candidatos às bolsas de IC.

Requisitos para o candidato (bolsista): 
a) ter cadastro socioeconômico em 2017/1 aprovado e com pontuação menor ou igual ao limite proposto pela Coordenadoria de Assuntos Estudantis - CAE para bolsas de iniciação científica; 
b) ter cadastro atualizado em 2017/1 no Programa de Bolsas Universitárias de Santa Catarina – UNIEDU (www.uniedu.sed.sc.gov.br); 
c) dispor de 20 (vinte) horas semanais, distribuídas de acordo com as atividades propostas pelo projeto de pesquisa; 
d) não receber bolsa de estudo do Artigo 170, bolsa de estudo ou pesquisa do Artigo 171, PROESDE ou Fundo Social durante o período de execução do projeto de pesquisa; 
e) não receber outra bolsa cumulativamente conforme artigo 6º da Resolução nº 072/2014; 
f) não receber mais de 75% (setenta e cinco por cento) de financiamento do FIES – Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior; 
g) não estar inadimplente com a PROPEX; 
h) ter cumprido 20 horas de atividades educativas em projetos sociais vinculados à extensão universitária, por semestre, caso tenha recebido uma ou mais parcelas de bolsa de estudo ou de pesquisa do Artigo 170. 

Documentos para indicação de bolsista: 
a) Ficha de inscrição do bolsista, disponível no sítio da FURB; 
b) Fotocópia do resumo de matrícula do bolsista. 

O bolsista contratado terá direito a receber 8 (oito) parcelas de R$ 750,00 (setecentos e cinquenta reais). Esse valor poderá variar, pois de acordo com a legislação estadual o valor não poderá ser inferior a 25% nem superior ao valor da mensalidade do bolsista.  Para a PROPEX FURB o estudante deverá elaborar durante sua vigencia de bolsa 2 relatórios. O relatório parcial, a ser entregue dia 02/10/2017 e o relatório final 12/03/2018. No laboratório do GPHAVI o bolsista deverá executar as atividades, cumprindo horário estabelecido, entre 02/05 até 12/03/2018 (seguindo o calendário funcional da FURB). 

As pesquisas são interdisciplinares e os estudantes da FURB interessados nas temáticas e na bolsa de IC devem preencher A intenção de Bolsista, entrar em contato no laboratório, Campus 1, Bloco R, sala 109, levando impresso, ou encaminhar para o e-mail indicado na ficha. Maiores informações ligar para (47)33210438.


quinta-feira, 23 de março de 2017

Pesquisadora do grupo fala em matéria sobre problemas ambientais na obra da Rua Humberto de Campos

Ocupando as áreas verdes da cidade, prejudicando os corredores ecológicos entre UCs, matas ciliares e ilhas de floresta, o prolongamento da rua Humberto de Campos e os problemas com os animais silvestres foi matéria hoje no Jornal do Almoço da Ric Record. Na matéria a pesquisadora Vanessa trata do que deve ser feito para amenizar a obra. Veja a seguir a matéria completa.

quarta-feira, 22 de março de 2017

III Escola de pós-graduação da Sociedade Latino Americana e Caribenha de História Ambiental

Já está disponível o formulário para inscrição na III Escola da Pós-graduação da SOLCHA. Os estudos ocorrerão no Centro Universitário de Anápolis UniEVANGELICA (Goiás) entre 24 e 27 de outubro de 2017. São oferecidas 20 vagas para alunos de pós-graduação (Mestrado e Doutorado) que estejam em seus estudos adotando a abordagem teórica-metodológica da História Ambiental. Acesse a 2º e 3º Circular para maiores informações, clique aqui. E para ver ou realizar sua inscrição clique aqui.

terça-feira, 7 de março de 2017

Breve história do ambientalista Lauro Eduardo Bacca



Bacca e Nélcio Lindner, 1969
Sou blumenauense nato, filho de pai gasparense que residiu 90 anos em Blumenau e de mãeblumenauense, da família Sada. Descendo de imigrantes italianos das famílias Zendron, Bacca e Sada, da brasileiríssima família Jacinto, do lugar Carijós, hoje bairro no município de Indaial e de imigrantes alemães da família Zimmermann, com prováveis ancestrais mais antigos de origem árabe e outros, o que permite dizer que somos, a exemplo de tantas outras famílias brasileiras, uma autêntica “salada genética”, com predominância de italianos das regiões de Trento (sobrenomes Bacca e Zendron) e Milão (Sada). Os Zendron emigraram da localidade de Valda, não muito longe de Trento também.




Publicado no blog do colega Adalberto Day, Bacca narra um pouco de sua história. Para ver na integra clique aqui.

sábado, 4 de março de 2017

Del saber ambiental, y de nuestra historia ambiental

Guillermo Castro H.
La historia ambiental toma forma para ocuparse de los problemas derivados de las modalidades de interacción entre la especie humana y su entorno, que en esta fase de su desarrollo han pasado a convertirse en el principal factor de riesgo en nuestro futuro. Esta no es una tarea sencilla: por el contrario, supone trascender aquella barrera entre las ciencias naturales y las otras formas del saber... Acesse aqui para ver mais.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Nomenclatura geográfica popular

Na ocupação ambiental, o homem no convívio com a natureza e uso de seus recursos, à medida que foi desbravando o imensidão continental, tratou logo de denominar os lugares para facilidade de localização. Tais nomes se fixaram como topônimos e tem elevado valor cultural. Para ler mais acesse aqui.
Fonte: Blog Tradições Populares das Vertentes. Para conhecer o blog, clique aqui.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Atividades do grupo

Bolsistas e pesquisadores retornam ao trabalho no laboratório do GPHAVI nesta segunda. Horário de segunda a sexta das 13h30 até as 18h. Para informações sobre possibilidades de pesquisas e bolsas (ver modalidades) para estudantes da FURB, estamos localizados na sala R-109, Bloco R, Campus 1.  As atividades de pesquisa de Iniciação Científica são coordenadas pelo professor Gilberto. As atividades de pesquisa e laboratoriais são coordenadas pelos professores Martin e Vanessa. 

Venha fazer uma visita.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

V Congresso Latinoamericano e II Congresso Equatoriano de Etnobiologia

Para saber mais clique aqui

Convocatória para cadeira de Clima e História Ambiental na Universidade de Oslo

O Departamento de Arqueologia, Conservação e História da Universidade de Oslo, Noruega, abre inscrições para contratação de professor para a cadeira de Clima e História Ambiental. Maiores informações acessar aqui.

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Primeira Circular da Terceira escola de pós-graduação da SOLCHA






A Sociedade Latinoamericana y Caribeña ãha de História Ambiental (SOLCHA) é uma associação criada desde 2006 e tem como finalidade apoiar os esforços voltados para que a história amplie os horizontes disciplinares e se torne uma ciência mais inclusiva, facilitando o diálogo interdisciplinar entre as ciências naturais e sociais, comprometida com a construção de uma vida coletiva mais sustentável. Além de dar visibilidade a este campo interdisciplinar, a SOLCHA busca fortalecer as relações entre os agentes envolvidos com a história ambiental em diferentes partes do mundo. A SOLCHA também tem se posicionado como uma sociedade comprometida em influenciar as políticas que promovem futuro ambientalmente saudável. A partir dessa missão e visão, esta associação tem se organizado no sentido de promover espaços privilegiados para divulgar pesquisas sobre a história ambiental da América Latina e do Caribe. Para atender as suas intencionalidades tem sido realizado os Simpósios e as Escolas de Pós-Graduação, que tem um calendário intercalado, bianualmente, e com uma rotatividade entre os países latino-americanos. A primeira Escola de Estudos de Pós-Graduação SOLCHA foi realizada entre 3 e 7 de Junho de 2013 na Colômbia. A organização foi partilhada entre a Universidade de Los Andes e da Universidade Nacional da Colômbia. O evento contou com a participação de 23 alunos de mestrado e doutorado de cinco países diferentes da América-Latina. Além dos alunos, a Escola contou com a participação de 13 professores, também de países diferentes, ligados à SOLCHA. A segunda Escola de Pós-Graduação foi realizada entre os dias 23 e 27 de Novembro de 2015, da Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro), na cidade de Guarapuava, Paraná, Brasil. O evento teve a coordenação do professor Jó Klanovicz e apoio do Laboratório de Meio Ambiente e História Gênero, do Departamento de História da Unicentro. A terceira Escola de Pós-Graduação da SOLCHA acontecerá entre os dias 24 a 27 de outubro de 2017 no Centro Universitário de Anápolis (UniEVANGÉLICA), Anápolis, Estado de Goiás, Brasil. O evento terá como instituições organizadoras o Centro Universitário de Anápolis, a Universidade Estadual de Goiás e a Universidade Federal de Santa Catarina.

CONSIDERAÇÕES GERAIS 

A Escola de Pós-Graduação da SOLCHA manterá a orientação das primeiras e segundas edições, com o enfoque na temática da História Ambiental da América Latina. Seguindo os moldes das duas primeiras edições, as principais atividades a serem desenvolvidas serão: 

1. Discussão de textos dos estudantes: Esta é atividade central da escola, e cada estudante deve enviar com antecedência um texto relativo ao trabalho que estão desenvolvendo na Pós-Graduação (Mestrado/Doutorado), podendo ser enviado em português, inglês ou espanhol. Os textos deverão ser lidos e debatidos pelos professores participantes. 

2. Sessões de seminários: as sessões acontecerão a partir da indicação de temas propostos pelos professores, considerando da temática geral em História Ambiental Latino-Americana. 

3. Conferências: A proposta é de uma conferência que aborde a situação atual da História Ambiental Latino-Americana e o papel da SOLCHA. 

4. Saída de Campo: a previsão de saída de campo para sítios de patrimônio histórico e ambiental de Goiás, com a previsão de um pernoite em acampamento próximo ao rio Corumbá e a Serra dos Pirineus, na região de Pirenópolis e Corumbá de Goiás. A saída de campo visa a compreensão da relação entre história e natureza na constituição da ocupação do Brasil Central, num diálogo entre as ciências humanas e naturais, tendo o bioma Cerrado como referência. 

PARTICIPANTES 

Seguindo a experiências das duas primeiras edições, adotaremos o limite de 18 participantes. Estes participantes serão selecionados dentre estudantes de Programas de Pós-Graduação (Mestrado/Doutorado) de diferentes áreas do conhecimento. Não será, portanto, necessário, a vinculação com Programas de Pós-Graduação em História. No entanto, a temática abordada, bem como as metodologias propostas e o projeto de pesquisa em desenvolvimento, deverão estar vinculadas à História Ambiental. Dentre os participantes, pelo menos dois serão estudantes da UniEVANGELICA, instituição sede do evento. Será feita uma convocação pública e, conforme recomendações de escolas anteriores, o objetivo é manter o caráter internacional do evento, com estudantes e professores de mais de um país.

PROFESSORES 

A escola contará com a participação dos seguintes professores: 

Adrián Gustavo Zarrilli, Universidad Nacional de Quilmes (Argentina) 
Alessandra Izabel de Carvalho, Universidade Estadual de Ponta Grossa (Brasil) 
Claudia Leal, Universidad de Los Andes (Colômbia) 
Diogo de Carvalho Cabral, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (Brasil) 
Dominichi Miranda de Sá, Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz (Brasil) 
Eunice Sueli Nodari – Universidade Federal de Santa Catarina (Brasil) 
José Augusto Pádua, Universidade Federal do Rio de Janeiro (Brasil)
José Luiz de Andrade Franco, Universidade de Brasília (Brasil) 
Lise Sedrez, Universidade Federal do Rio de Janeiro (Brasil)
Magali Romero Sá, Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz (Brasil) 
Marina Miraglia, Universidad Nacional de General Sarmiento (Argentina)
Paulo Henrique Martinez, Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”
Regina Horta Duarte, Universidade Estadual de Minas Gerais (Brasil) 
Reinaldo Funes Monzote, Fundación Antonio Núñez Jiménez de La Naturaleza y el Hombre (Cuba) Rogério Ribeiro de Oliveira, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (Brasil) 
Samira Peruchi Moretto – Universidade Federal da Fronteira Sul (Brasil) 
Sandro Dutra e Silva, Universidade Estadual de Goiás e UniEVANGELICA (Brasil) 

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

I Encontro Nacional de Pesquisadores em Direito Ambiental e Desenvolvimento Sustentável

O I Encontro Nacional de Pesquisadores em Direito Ambiental e Desenvolvimento Sustentável ocorrerá entre os dias 07 e 09 de junho de 2017 em São Paulo. O Evento é organizado pela OAB de São Paulo. Maiores informações clique aqui.

domingo, 29 de janeiro de 2017

Metamorfoses Florestais: culturas, ecologias e as transformações históricas da Mata Atlântica

O livro Metamorfoses florestais: culturas, ecologias e transformações históricas da Mata Atlântica é organizado pelos colegas Diogo de Carvalho Cabral e Ana Goulard Bustamante. A obra possui cinco seções, tratando da emergência dos contornos regionais da Mata Atlântica, tanto na terra quanto no pensamento humano. As outras quatro seções agrupam trabalhos de acordo com os grandes períodos da história da Mata Atlântica, em presença humana. O primeiro deles refere-se à primeira invasão de que falou o historiador Warren Dean, ou seja, às levas migratórias pré-históricas que chegaram à costa brasílica, provavelmente vindas do norte do continente sul-americano. A seção seguinte trata dos encontros e regimes socioambientais que se desenvolveram ao longo do período de colonização portuguesa, entre os séculos XVI e XVIII.A terceira seção aborda o Antropoceno, época em que a ação humana suplantou as outras forças da natureza, na regulação dos ecossistemas. Mas a Mata Atlântica não é um capítulo acabado da história ambiental brasileira. Enquanto bioma humano, ela é uma realidade viva e pulsante, tanto no que concerne à importância dos remanescentes florestais para as sociedades e economias (captação de água, estabilização de encostas etc.) quanto no âmbito dos movimentos sociais, científicos e culturais que atualmente procuram interromper a trajetória destrutiva e restaurar a integridade dos ecossistemas. Assim, a quinta e última seção deste livro reúne trabalhos que abordam a ¿história do futuro da Mata Atlântica. Fonte: Editoras Prismas. 

Para saber mais sobre o livro ou adquirir, acesse aqui.

sábado, 28 de janeiro de 2017

STs de História Ambiental no XXIX Simpósio Nacional de História







O XXIX Simpósio Nacional de História da Anpuh ocorrerá na UNB Brasília entre 24 e 28 de julho de 2017. Tem como tema: " Contra os preconceitos - História e Democracia" . No evento ocorrerão três simpósios temáticos na área da História Ambiental, conforme última reunião do GT Nacional realizado no Simpósio Internacional de História Ambiental e Migrações, UFSC-SC. São eles:

ST 043 - História Ambiental: ciência, tecnologia e o mundo natural
Diogo de Carvalho Cabral (IBGE), Ely Bergo de Carvalho (UFMG)
http://www.snh2017.anpuh.org/simposio/view?ID_SIMPOSIO=28

ST 044 - História Ambiental: espaço, território e natureza
Eurípedes Funes (UFC), Dora Shellard Corrêa (ENS)
http://www.snh2017.anpuh.org/simposio/view?ID_SIMPOSIO=32

ST 045 - História Ambiental: o Antropoceno, desastres e biodiversidade
Eunice Sueli Nodari (UFSC), Lise Fernanda Sedrez (UFRJ)     
http://www.snh2017.anpuh.org/simposio/view?ID_SIMPOSIO=89

Para saber mais sobre o evento, acesse aqui

domingo, 22 de janeiro de 2017

VIII Seminário Internacional sobre Desenvolvimento Regional













O evento ocorre entre 13 e 15 de setembro de 2017 e tem como tema: Território, Redes e Desenvolvimento Regional - perspectivas e desafios. É organizado pelo Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional da Universidade de Santa Cruz do Sul - RS. Para saber mais acesse o site do evento clicando aqui.