Cada dia a natureza produz o suficiente para a nossa carência. Se cada um tomasse o que lhe fosse necessário, não haveria pobreza no mundo e ninguém morreria de fome
Mahatna Gandhi

quinta-feira, 12 de julho de 2018

OPORTUNIDADE DE BOLSAS PIBIC 2018

O GPHAVI está selecionando estudantes da graduação FURB para realizar atividades de Iniciação Científica e receber bolsa PIBIC (CNPQ e FURB). Acesse a página da chamada clicando aqui.

quarta-feira, 11 de julho de 2018

Pesquisa de IC promove organização do acervo do GPHAVI e analisa sua importância para compreender o Desenvolvimento Regional no entorno do Parque Nacional da Serra do Itajaí

Através da pesquisa de IC O acervo do Grupo de Pesquisas de História Ambiental do Vale do Itajaí e sua contribuição para análise do desenvolvimento regional no entorno do Parque Nacional Serra do Itajaí-SC os pesquisadores Gilberto Friedenreich dos Santos e Martin Stabel Garrote, com apoio de um estudante da graduação pretendem investigar a contribuição das informações do acervo de entrevistas do GPHAVI para o estudo do desenvolvimento regional do entorno do PNSI. Como procedimentos metodológicos o acervo será identificado, analisado e listado para compreender os processos de desenvolvimento de cada comunidade encontrada. Com o levantamento total será possível ter um panorama dos principais processos do desenvolvimento regional presentes na história do território que hoje compreende o parque.

O grupo está selecionando estudantes para a vaga desta Bolsa CNPq. Os interessados deverão comparecer no laboratório do grupo entre 10 até 26 de julho (Lab na sala R-109, ou escritório na R-310) ou procurar pelos professores Gilberto Friedenreich dos Santos no (47)3321 0650 (gilbertofrieden@gmail.com) ou com Martin Stabel Garrote no (47)3321-0438 (martin_stabelgarrote@yahoo.com.br). 

terça-feira, 10 de julho de 2018

Pesquisa PIBIC CNPQ analisará a produção do arroz em Massaranduba-SC

Através do projeto de pesquisa A produção do Arroz no município de Massaranduba (Santa Catarina): sociedade, tecnologia e natureza, o pesquisador Gilberto Friedenreich dos Santos e sua orientanda de doutorado Ana Paula Tabosa dos Santos Sanches, com apoio de um estudante da graduação vão analisar a relação da tecnologia, sociedade e natureza na rizicultura no município de Massaranduba a partir de uma perspectiva histórica e as transformações ambientais provocadas por essa relação. Os objetivos específicos da pesquisa são: a) investigar a evolução da tecnologia empregada na rizicultura; b) identificar e analisar os padrões de desenvolvimento da tecnologia na rizicultura; c) entender a percepção dos agricultores sobre as inovações tecnológicas na rizicultura; e d) compreender as transformações ambientais causadas pelas técnicas empregadas na rizicultura, e se essas técnicas reduziram os impactos ambientais negativos (uso de agrotóxicos e consumo de água) ao longo do tempo. A metodologia desta pesquisa propõe uma abordagem qualitativa buscando instrumentos que possibilitem compreender a relação entre homem, natureza e tecnologia na rizicultura. A pesquisa será desenvolvida em duas etapas: a primeira consiste no levantamento de dados secundários por meio de revisão bibliográfica, e a segunda no levantamento de dados primários utilizando-se de entrevistas com diferentes atores da agricultura de Massaranduba/SC.

O grupo está selecionando estudantes para a vaga desta Bolsa CNPq. Os interessados deverão comparecer no laboratório do grupo entre 10 até 26 de julho (Lab na sala R-109, ou escritório na R-310) ou procurar pelos professores Gilberto Friedenreich dos Santos no (47)3321 0650 (gilbertofrieden@gmail.com) ou com Martin Stabel Garrote no (47)3321-0438 (martin_stabelgarrote@yahoo.com.br). 

segunda-feira, 9 de julho de 2018

GPHAVI aprova duas Iniciações Científicas com recursos PIBIC CNPq e FURB

O Grupo de pesquisa aprova dois projetos de Iniciação Científica com recursos do programa PIBIC. Com recursos do CNPQ o projeto A PRODUÇÃO DE ARROZ NO MUNICÍPIO DE MASSARANDUBA (SANTA CATARINA): SOCIEDADE, TECNOLOGIA, E NATUREZA, e com recursos da FURB o projeto O ACERVO DO GRUPO DE PESQUISAS DE HISTÓRIA AMBIENTAL DO VALE DO ITAJAÍ E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA ANÁLISE DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL NO ENTORNO DO PARQUE NACIONAL DA SERRA DO ITAJAÍ - SC. O grupo contratará mais dois estudantes da graduação para o desenvolvimento dos projetos até dia 26.

quinta-feira, 14 de junho de 2018

Café de 15 anos do GPHAVI

Na tarde de hoje realizamos um café para comemorar os 15 anos do grupo de pesquisa. Foi uma tarde de boas conversas e degustação de café com cuca e demais petiscos. O café foi organizado pelos estudantes envolvidos nas pesquisas, os bolsistas Kayuã, João, Juliano e Denis e a pesquisadora Dr. Adiléia. 

Parabéns ao grupo.

segunda-feira, 11 de junho de 2018

Exposição comemora os 15 anos do Grupo de Pesquisa de História Ambiental do Vale do Itajaí na FURB

Em comemoração ao aniversário de 15 anos do grupo de pesquisa, pesquisadores e bolsistas organizaram um exposição para mostrar um pouco da história do grupo e sua atuação na universidade. A Exposição 15 Anos do Grupo de Pesquisa de História Ambiental do Vale do Itajaí ocorre entre 11/06 até 22/06 no hall de entrada do Centro de Ciências Humanas e da Comunicação. Nele os visitantes poderão ver poster que contam a história, a produção científica e fatos marcantes desses 15 anos do grupo. ,


terça-feira, 5 de junho de 2018

15 anos de Grupo de Pesquisa de História Ambiental do Vale do Itajaí

O GPHAVI comemora neste cinco de junho seus 15 anos de pesquisas de História Ambiental do Vale do Itajaí. Foram mais de 30 projetos de IC executados e mais de 40 estudantes passaram por aqui de diversos cursos de nossa FURB. 

Em julho de 2003 foram dados os primeiros passos das investigações com o enfoque da História Ambiental na universidade. Martin Stabel Garrote, na época, estudante da graduação de história apresentou ao professor Dr. Gilberto Friedenreich dos Santos um projeto para investigar a história das influências antrópicas na Floresta Atlântica do Parque das Nascentes, sul de Blumenau, trazendo a abordagem teórica e metodológica da História Ambiental. O projeto foi encaminhado em 2004 para programas institucionais de Iniciação Científica, aprovado pelo Programa de Incentivo a Pesquisa - PIPe Art. 170, para execução no período de maio de 2005 a abril de 2006. 

No dia 05 de junho de 2004, a fim de cumprir os requisitos institucionais para a realização de pesquisas foi criado o Grupo de Pesquisa de História Ambiental do Vale do Itajaí, sob a coordenação do professor Gilberto. A partir deste momento o tema da História Ambiental passa a ser abordado também como um assunto nas aulas do prof. Gilberto nas disciplinas de Geografia e Geohistória nos cursos de História e Ciências Sociais. 

Em 2006, foi elaborado o projeto guarda-chuvas do grupo intitulado História Ambiental do Vale do Itajaí. Nesse período o grupo é composto pelo prof. Gilberto, geógrafo, Martin, historiador e a bióloga Vanessa Dambrowski, passando a ter uma base interdisciplinar. A partir daí os pesquisadores iniciam um processo de investigações para organizar uma História Ambiental das Comunidades do Parque Nacional Serra do Itajaí, organizando e executando projetos com programas PIBIC e PIPe, assim como projetos com fomento da FAPESC e CNPq, e outras instituições. Estes estudos resultaram em conhecimentos divulgados em eventos e revistas científicas. No período também é desenvolvido vídeo documentário Memórias do Parque, tratando da História Ambiental do Parque das Nascentes, realizado com recursos do Fundo Cultural de Blumenau e distribuído nas escolas municipais e estaduais do município. 

A partir de 2007 o grupo passa a organizar reuniões quinzenais, estudando e pesquisando temas que contribuam com a organização de uma História Ambiental do Vale do Itajaí. A partir de 2008 o grupo consegue seu primeiro espaço físico, inicialmente junto ao Departamento de História e Geografia, e depois ocupando até 2010 a sala R-310, dependências do Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional. 

Em 2009 o Cientista Social Nelson Afonso Garcia integra o grupo. Na ocasião o pesquisador coordenou o projeto Preservação, conservação e uso público do acervo do Instituto Parque das Nascentes, desenvolvido com financiamento da Fundação Fritz Muller e em parceria com o Instituto Parque das Nascentes. 

Entre 2009 e 2010 os pesquisadores Gilberto e Martin coordenaram a disciplina de História Ambiental de Santa Catarina, na pós-graduação especialização de Ensino de Geografia de Santa Catarina, promovida pelo Departamento de História e Geografia. 

Em 2010 os pesquisadores e bolsistas do GPHAVI organizam um estatuto e iniciam um projeto para transformar o Grupo em ONG. Em 2011 o grupo realiza projeto com a temática de Arquivos e Museus, havendo a participação do historiador Dr. Paulo Henrique Martinez, da UNESP-SP. 

Entre 2012 e 2013 foi iniciado um projeto com parceria do ICMBio e IPAN a fim de investigar a história das antigas serrarias no território do Parque Nacional da Serra do Itajaí. O grupo passou a fazer parte da Rede Brasileira de História Ambiental, participando do GT Nacional da ANPUH de História Ambiental e coordenando junto com o Laboratório de Imigrações, Migrações e História Ambiental – LABIMHA da UFSC o GT de História Ambiental de Santa Catarina. 

Em 2014 foi realizada uma parceria com o Grupo de Estudo e Pesquisa em História Ambiental e Educação (GEPHAE), e o historiador Dr. Carlos Renato Carola passa a integrar a equipe do GPHAVI, assim como o pesquisador Martin integrar o GEPHAE, da UNESC – Universidade do Extremo sul Catarinense. 

Em 2015 atendendo uma resolução interna da FURB, os pesquisadores do grupo desenvolvem o Núcleo de Integração Ambiental, Sociedade e Sustentabilidade NIASS, núcleo vinculado às Licenciaturas da FURB e integrante do CCHC. 

Em 2016 no desenvolvimento de projetos com a temática da Biologia da Conservação, o biólogo Carlos Eduardo Zimmermann passa a integrar o grupo, e junto com a pesquisadora Vanessa desenvolvem a linha de pesquisa Ecologia da Paisagem. 

Em 2017, momento em que o grupo é composto por historiadores, sociólogos, geógrafos e biólogos, passa a integrar o grupo a antropóloga Adiléia Aparecida Bernando somando a linha de pesquisa de Antropologia. 

Em 2018 o GPHAVI soma 15 anos de estudos com a História Ambiental do Vale do Itajaí, em especial do Parque Nacional Serra do Itajaí em nove municípios, além de estudos em outras áreas protegidas do estado, resultando em um acervo de memória ambiental e conhecimentos da História Ambiental de Santa Catarina divulgados através da produção de artigos científicos publicados em eventos e revistas científicas, e também com divulgação no blog e página institucional da FURB.



sábado, 19 de maio de 2018

História Ambiental no XVII Encontro Estadual de História de Santa Catarina

Participe do XVII Encontro Estadual de História da ANPUH-SC que será realizado entre 21 e 24 de agosto de 2018 no Campus Joinville (Univille), em Joinville. O tema do encontro é “Memória, Patrimônio e Democracia”. No evento ressaltamos o simpósio temático coordenado pela colega Samira e pelo colega e pesquisador do nosso grupo Carlos Renato Carola. Também ressaltamos o simpósio das colegas Roberta, Mariluci, e Dione. São dois espaços onde estudos da História Ambiental podem ser divulgados e debatidos.


HISTÓRIA AMBIENTAL E MIGRAÇÕES
Coordenação: Samira Peruchi Moretto (UFFS); Carlos Renato Carola (UNESC).

Resumo: a História Ambiental oferece novos caminhos para pensar a História, como também novas formas de pensar a natureza. A questão ambiental tem sua relevância redimensionada por outras questões imbricadas como a desigualdade social, a garantia e o reconhecimento dos direitos humanos, o desmatamento desenfreado, a falta de saneamento básico, entre outros. Evidentemente, a devastação do patrimônio ambiental e o (ab)uso dos recursos naturais são temas candentes e precisam ser melhor discutidos sob o viés das Ciências Humanas e Sociais. A proposta do presente simpósio é reunir trabalhos que tratem as relações entre História e Natureza nas suas diferentes dimensões. Desta forma nos interessam estudos que discutam as concepções, atitudes e atividades humanas na transformação da paisagem, como os seres humanos alteraram o mundo rural e urbano e, finalmente, as consequências dessas alterações para as comunidades naturais e humanas. Salientam-se ainda a importância de estudos relacionados aos movimentos migratórios humanos e da flora e fauna, os processos de ordenamento sanitário e de saúde pública, os estudos relacionados aos aspectos históricos, demográficos e ambientais na formação dos territórios. A análise das relações com as comunidades tradicionais e a formação de identidades regionais e nacionais no que concerne à História Ambiental também faz parte deste escopo.
Justificativa: A questão ambiental tem sua relevância redimensionada por outras questões imbricadas como a desigualdade social, a garantia e o reconhecimento dos direitos humanos, o desmatamento desenfreado, a falta de saneamento básico, entre outros. A História Ambiental ultrapassa a esfera de apenas ser um campo de pesquisa, mas, sobretudo, busca apresentar respostas à crise socioambiental que ameaça a vida dos seres vivos em todo o planeta. Evidentemente, a devastação do patrimônio ambiental e o (ab)uso dos recursos naturais são temas candentes e precisam ser melhor discutidos sob o viés das Ciências Humanas e Sociais. A proposta do presente simpósio é reunir trabalhos que tratem as relações entre História e Natureza nas suas diferentes dimensões.

___//___


NOVOS ENREDOS E DESAFIOS NOS ESPAÇOS PATRIMONIAIS: PAISAGEM, HISTÓRIA AMBIENTAL, SABERES E BENS ARQUEOLÓGICOS

Coordenação: Roberta Barro Meira (Univille); Mariluci Neis Carelli (UNIVILLE); Dione da Rocha Bandeira (Univille).

Resumo: a construção e a redefinição de um rol de paisagens, saberes e bens arqueológicos que compõem o patrimônio cultural e a sua salvaguarda envolveram uma ampla gama de políticas públicas, atores e campos do conhecimento. Nesse sentido, o objetivo desse Simpósio consiste em fomentar as discussões e as trocas entre os pesquisadores que atuam no campo do patrimônio, da história da ciência, da história ambiental e da arqueologia, e que buscam perceber as alterações e continuidades na concepção de paisagens, saberes e bens arqueológicos, oriundos de uma visão mais abrangente de patrimônio cultural. Assim, como se torna lócus privilegiado perceber os desdobramentos das mudanças nas dimensões políticas e culturais quando se insere o ponto de vista das manifestações culturais e ambientais em diferentes contextos históricos. Os trabalhos devem dar ênfase assim a reflexões sobre: as construções de novos marcos legais sobre o reconhecimento das paisagens como patrimônio cultural; a promoção e a proteção do patrimônio arqueológico; o papel dos diferentes grupos sociais nas novas formas de conceder os patrimônios; as tensões e as negociações no lento processo de composição de uma agenda política patrimonial em diferentes contextos históricos que pode ser entendida pela percepção de uma história ambiental entrelaçada com os estudos arqueológicos e paisagem cultural.


quinta-feira, 3 de maio de 2018

Bolsistas no laboratório do GPHAVI


Na geração gepahviana de 2017-2018 de bolsistas, o grupo conta com Denis, Kayuã, João, Juliano que estão  desenvolvendo duas pesquisas no entorno do Parque Nacional Serra do Itajaí, municípios de Apiúna, Presidente Nereu Vidal Ramos, Botuverá e Guabiruba. E Dilso, desenvolvendo pesquisa na Reserva Biológica da Canela Preta em Botuverá. São estudantes de Ciências Sociais, Arquitetura, História e Ciências Biológicas. As bolsas dos estudantes são financiadas pelos programas PIPe, FUMDES e PIBIC-FURB.

sábado, 21 de abril de 2018

Congresso Internacional de Humanidades Ambientais

As humanidades ambientais são um campo que se desenvolve com o intuito de questionar as divisões entre as ciências humanas, sociais e ecológicas. "Las humanidades ambientales surgen de las sinergias entre filosofía e historia ambiental, ecocrítica, arte y naturaleza, pensamiento ecológico de-/post-colonial, ciencias del sistema terrestre, filosofía de la ciencia, ecologismo social y político, ecofeminismo y un largo etcétera" Para saber mais sobre o evento clique aqui


sexta-feira, 20 de abril de 2018

O laboratório antes da mudança

Entrada do laboratório, na parede o mural de recados.

Vista geral a partir da ante sala.

Vista de geral do laboratório

Mesas de trabalho da sala








Mesma bancada de outro angulo
Espaço de arquivo
















Final de abril de 2018 iniciamo um processo de limpeza e organização da sala, assim como manutenção e modernização de alguns equipamentos. As atividades foram desenvolvidas pela pesquisadora Adileia e pelo bolsista Kayuã. As fotos são de autoria da pesquisadora Adiléia. O principal objetivo é o aproveitamento do espaço para os novos bolsistas das pesquisas do grupo.

Novas oportunidades de Bolsas de Pesquisa

Gostaríamos de divulgar duas oportunidades de bolsas para estudantes FURB:

⇨O pesquisador Carlos Eduardo Zimmermann aprovou pelo PIPe Art. 170 a pesquisa: O PAPEL DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS PARA A PROTEÇÃO DAS ESPÉCIES DE AVES DA FLORESTA ATLÂNTICA FRENTE À FRAGMENTAÇÃO FLORESTAL.

⇨ O pesquisador Nelson Afonso Garcia aprovou pelo PIPe a pesquisa: O USO DE TECNOLOGIA SOCIAL POR EMPREENDIMENTOS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA.

Os pesquisadores estão selecionando candidatos para contratação imediata de estudantes para as vagas. Os estudantes interessados devem atender os requisitos:

a) ter cadastro socioeconômico em 2018/1 aprovado e com pontuação menor ou igual ao limite proposto pela Coordenadoria de Assuntos Estudantis - CAE para bolsas de iniciação científica; 
b) ter cadastro atualizado em 2018/1 no Programa de Bolsas Universitárias de Santa Catarina – UNIEDU (www.uniedu.sed.sc.gov.br); 
c) dispor de 20 (vinte) horas semanais, distribuídas de acordo com as atividades propostas pelo projeto de pesquisa; 
d) não receber bolsa de estudo do Artigo 170, bolsa de estudo ou pesquisa do Artigo 171, PROESDE ou Fundo Social durante o período de execução do projeto de pesquisa; 
e) não receber outra bolsa, cumulativamente, conforme artigo 6º da Resolução Nº 072/2014; 
f) não receber mais de 75% (setenta e cinco por cento) de financiamento do FIES – Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior; 
g) não estar inadimplente com a PROPEX; 
h) ter cumprido 20 horas de atividades educativas em projetos sociais vinculados à extensão universitária, por semestre, caso tenha recebido uma ou mais parcelas de bolsa de estudo ou de pesquisa do Artigo 170. 

Documentos para indicação de bolsista: 
a) Ficha de inscrição do bolsista, disponível no sítio da FURB; 
b) Fotocópia do resumo de matrícula do bolsista. O bolsista contratado terá direito a receber 4 (quatro) parcelas de R$ 1.500,00 (um mil e quinhentos reais). Esse valor é correspondente a 12 mensalidades e poderá variar, pois de acordo com a legislação estadual o valor não poderá ser inferior a 25% nem superior ao valor da mensalidade do bolsista.  

Se você se interessou entre em contato com os pesquisadores: Carlos Eduardo Zimmermann (cezimmer@furb.br); Nelson Afonso Garcia (nelgarcia@furb.br)

sábado, 14 de abril de 2018

Um mês sem Crosby

No dia 14 de março faleceu Alfred Crosby, um dos principais pensadores da História Ambiental estadunidense. Saiu uma matéria sobre sua morte no NY TIMES, clique aqui para ler. Na nossa biblioteca da FURB temos duas obras do autor disponíveis para ler:

sexta-feira, 13 de abril de 2018

Palestra "Meio Ambiente por Inteiro"

Nesta última quinta-feira dia 12 de abril, foi realizada no auditório do Bloco J da FURB a palestra
MEIO AMBIENTE POR INTEIRO ministrada pelo ecólogo e ambientalista Lauro Eduardo Bacca. A palestra foi realizada em comemoração dos 31 anos do curso de Ciências Sociais da FURB.

Oportunidade de Bolsa de Iniciação Científica

URGENTE

O GPHAVI está selecionando estudantes para vagas de bolsista de iniciação científica com recursos dos programas PIPe, FUMDES e PIBIC. Os estudantes estarão integrados em pesquisa que avalia o Desenvolvimento no entorno do Parque Nacional da Serra do Itajaí. Acompanhe este post para saber mais:

VAGAS PREENCHIDAS
02 - Bolsas PIPe
02 - Bolsas FUMDES (aguardando aprovação dos projetos)

Estamos fazendo cadastro de reserva para contratação para possíveis vagas:

-02 Vagas Bolsas PIBIC (FURB e CNPQ*) O estudante não pode ter vínculo empregatício ou receber outra bolsa do governo federal. Essa vaga está disponível até 24/08. 

Os interessados deverão comparecer no laboratório do grupo (Campus 1, Bloco R, sala R-109) de preferência as quintas e sextas-feiras, momento que ocorrem as entrevistas, ou procurar pelos professores Gilberto Friedenreich dos Santos (frieden@furb.br) ou no (47)3321 0610;  e/ou com Martin Stabel Garrote (martin_sg@furb.br) ou no (47)3321-0438. 
VENHA DEIXAR O TEU CONTATO E INTERESSE PARA PRÓXIMAS OPORTUNIDADES

domingo, 1 de abril de 2018

Pesquisa FUMDES 2018. Vamos participar?

Processo seletivo GPHAVI 02/2018 - Bolsa FUMDES (Art.171) 2018-2019 Pesquisa de Iniciação Científica 

VAGAS PREENCHIDAS
(ATUALIZADO EM 13/04/2018)


As bolsas de Iniciação Científica do Art. 171 FUMDES possuem como objetivos primordiais:

-Despertar a vocação científica e incentivar talentos potenciais entre estudantes de graduação, mediante suas participações em projetos de pesquisa, iniciando o jovem universitário no domínio do método científico. 
-Proporcionar ao bolsista, orientado por pesquisador qualificado, a aprendizagem de técnicas e métodos científicos, bem como estimular o desenvolvimento do pensar cientificamente e da criatividade, decorrentes das condições criadas pelo confronto direto com os problemas de pesquisa. 
-Estimular uma maior articulação entre a graduação e a pós-graduação. 
-Contribuir para a formação de recursos humanos para pesquisa. 
-Fomentar a produção acadêmico-científica. 

Para participar de processo seletivo os estudantes interessados devem atender os requisitos: 

-Estar com inscrição quite no cadastro UNIEDU
-Ter cursado todo o Ensino Médio em Unidade Escolar da Rede Pública ou em Instituição Privada com bolsa integral ou parcial;
-Residir há, no mínimo, dois anos no Estado de Santa Catarina;
-Dispor de 20 (vinte) horas semanais, distribuídas de acordo com as atividades propostas pelo projeto de pesquisa desenvolvido no GPHAVI, presenciais na FURB;
-Não receber outra bolsa oriunda do Governo do Estado de Santa Catarina;
-Não receber outra bolsa de pesquisa, extensão, institucional, monitoria, trabalho, estágio interno, bem como de qualquer órgão de fomento Federal, de acordo com os termos da Resolução Nº 072/2014; f) não estar inadimplente com a PROPEX. 6.4
-Estudantes beneficiados pelo FIES poderão receber bolsa deste programa.

(compareça apenas se você se adequar a esses requisitos)

Os contratos serão firmados entre FUMDES e FURB, e o plano de trabalho e as atividades serão realizadas no laboratório do Grupo de Pesquisas de História Ambiental do Vale do Itajaí GPHAVI, no Campus 1, sala R-109 e conforme atividades da pesquisa. Os projetos terão seu prazo de execução estabelecido em 12 (doze) meses, de 01 de maio de 2018 a 30 de abril de 2019, e o valor da bolsa mensal é de um salário mínimo referente ao vigente de 2017.

Os interessados deverão comparecer no laboratório do grupo entre 02 até 17 de abril, de preferência as quintas e sextas-feiras, momento que ocorrem as entrevistas, ou procurar pelos professores Gilberto Friedenreich dos Santos no (47)3321 0610 ou com Martin Stabel Garrote no (47)3321-0438. 

Maiores informações consultar edital disponível aqui



sexta-feira, 30 de março de 2018

Pesquisa "História, Desenvolvimento e Sustentabilidade no entorno do Parque Nacional da Serra do Itajaí em Botuverá e Guabiruba-SC" disponibilizará duas bolsas para estudantes FURB.

Divulgamos a aprovação da pesquisa História, Desenvolvimento e Sustentabilidade no entorno do Parque Nacional da Serra do Itajaí em Botuverá e Guabiruba-SC. A pesquisa disponibilizará duas bolsas PIPe Art. 170. Trata-se de uma iniciação científica vinculada ao projeto de doutoramento do pesquisador Martin. 
Maiores informações entre em contato.