"Eu sou o que me cerca. Se eu não preservar o que me cerca, eu não me preservo".
José Ortega y Gasset

quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Baraka


Bom final de ciclo solar, e que 2015 seja póspero - Equipe do GPHAVI

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Encerramento de confraternização

Realizada em um dos Quiosques da Ad Hering na Agua Verde Blumenau, os integrantes do grupo e convidados confraternizaram um jantar de encerramento de atividades do grupo. 

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

TCC aborda História Ambiental e Desastre Socioambiental na Comunidade Araranguá em Blumenau-SC

Foi apresentado no pelo acadêmico de História Nicollas Voss Reis a pesquisa:  MEMÓRIAS DOS CONFLITOS AMBIENTAIS NA COMUNIDADE DA RUA ARARANGUÁ, BLUMENAU/SC: DO PROCESSO HISTÓRICO DE OCUPAÇÃO AO DESASTRE SOCIOAMBIENTAL NO ANO DE 2008. A pesquisa foi iniciada através de um projeto de Iniciação Científica pelo PIPe (Art. 170 Estado de Santa Catarina) em 2014 e dela o estudante de história e bolsista do grupo, sob orientação do pesquisador Martin Stabel Garrote desenvolveu seu estudo de conclusão de curso. O desastre socioambiental ocorrido no ano de 2008 em Blumenau (SC) é considerado um dos maiores fenômenos ambientais já registrados no sul do Brasil, deixando marcas na memória dos moradores do município. No estudo, Nicollas apresenta  a História e os conflitos ambientais presentes nas memórias dos moradores de em um dos perímetros mais atingidos, a comunidade da Rua Araranguá. 
Conforme Nicollas, as abordagens teóricas utilizadas no trabalho tornaram possível compreender  os fatores que corroboraram com o desastre socioambiental na região, assim como apresenta  o contexto histórico da comunidade que praticamente não possuía relatos ou registros. Nesse ponto, essa proposta contribui para os avanços dos estudos dos desastres, que mesmo tão frequentes no Estado, e que pouco a pouco passam a ser debatidos também pelos historiadores além dos da História Ambiental.

Para conferir o trabalho completo do Nicollas clique aqui (em breve disponível na biblioteca online da FURB)

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Grupo participa do 3º Simpósio Internacional de História Ambiental e Migrações

Aconteceu nos dias 05 a 07 de novembro de 2014 na Universidade Federal de Santa Catarina o 3° Simpósio Internacional de História Ambiental e Migrações. O Simpósio foi organizado pelo Programa de Pós-Graduação em História e o Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas da Universidade Federal de Santa Catarina, através do Grupo de Pesquisa Laboratório de Imigração, Migração e História Ambiental (LABIMHA)
No 3° Simpósio foram tratadas várias temáticas de História Ambiental e Migrações, de diferentes períodos e regiões do globo e comtemplando pesquisas e pesquisadores de várias áreas do conhecimento.
O GPHAVI teve sua participação representada pelos pesquisadores: Gilberto Friedenreich dos Santos (Geógrafo), Martin Stabel Garrote(Historiador e Cientista Social), Vanessa Dambrowski (Bióloga), Aline Donata Dickmann (Assistente Social) e pelos acadêmicos Gabriel Pierri de Souza, Kahina Thirsa Hostin (Curso de História), Francisco José Matias (Curso de Música), Ana Carolina Guztzazky (Ciências Biológicas) e Jaqueline Gonçalves Amaro (Engenharia Florestal).
Foram apresentados pelo GPHAVI quatro trabalhos de Iniciação Científica na categoria Pôster.
- História e Memória Ambiental da Serraria São Francisco (Parque Nacional da Serra do Itajaí, Blumenau, SC).
Apresentadora - Kahina Thirsa Hostin, Programa PIPe (Demais autores - Gilberto Friedenreich dos Santos, Vanessa Dambrowski e Martin Stabel Garrote).
- A História da criação e implantação do Parque Nacional da Serra do Itajaí e os conflitos de interesses sobre o uso e conservação da região (Vale do Itajaí – SC).
Apresentadora - Aline Donata Dickmann, Programa PIBIC/FURB (Demais autores - Rubens Vinícius da Silva, Gilberto Friedenreich dos Santos, Martin Stabel Garrote, Vanessa Dambrowski e Jaqueline Gonçalves Amaro).
- História e memória ambiental das antigas serrarias do território do Parque Nacional da Serra do Itajaí (Santa Catarina, Vale do Itajaí).
Apresentador - Gabriel Pierri de Souza, Programa PIPe (Demais autores - Francisco José Matias, Gilberto Friedenreich dos Santos, Vanessa Dambrowski e Martin Stabel Garrote).
- Estudos sobre a história ambiental dos usos da avifauna do Parque Nacional Serra do Itajaí (SC), nos municípios de Blumenau, Botuverá e Guabiruba.
Apresentador - Francisco José Matias, Programa PIBIC/CNPQ (Demais autores -Vanessa Dambrowski, Carlos Eduardo Zimmermann, Martin Stabel Garrote, Ana Carolina Guztzazky e Gilberto Friedenreich dos Santos).
Os Estudos sobre a história ambiental dos usos da avifauna do PNSI e demais trabalhos resultantes contaram com a participação do Pesquisador Carlos Eduardo Zimmermann Biólogo, Mestre em Recursos Genéticos Vegetais, pesquisador do Laboratório de Ecologia e Ornitologia (LABEO/FURB).

No intuito de incentivar a IC e a participação de acadêmicos de graduação no Simpósio Internacional de História Ambiental e Migrações a organização premiou cinco trabalhos apresentados na modalidade Pôster. O GPHAVI foi contemplado com três premiações. Foram premiados os Pôsteres apresentados por Kahina Thirsa, Aline Donata Dickmann, e Francisco Matias, que receberam livros organizados e publicados pelo Grupo de Pesquisa Laboratório de Imigração, Migração e História Ambiental (LABIMHA).

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Pesquisadores no Doutorado em Desenvolvimento Regional

Divulgado a relação dos aprovados no processo seletivo do Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional da FURB. Entre os selecionados estão os pesquisadores Nelson Afonso Garcia Santos e Martin Stabel Garrote. Acesse o resultado aqui.

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

GT Nacional de História Ambiental

Já está no ar desde setembro a página do Grupo de Trabalho de História Ambiental, vinculado na ANPUH, e aberto aos pesquisadores da área. O objetivo é centralizar as atividades referentes a eventos e investigações dos GT Estaduais para promover e desenvolver a área. Os pesquisadores Vanessa, Gilberto e Martin passaram a integrar o grupo. Acesse e conheça as atividades de História Ambiental e dos GTs Estaduais de História Ambiental em gthistoriaambiental.com.br. Também foi criado um grupo de discussões, de troca de mensagens para facilitar a comunicação entre os membro. Os interessados devem acessar https://br.groups.yahoo.com/neo/groups/historiaambiental/info.

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Bolsistas do grupo apresentam resultados na 8º Mostra Integrada Ensino Pesquisa e Extensão - MIPE

O MIPE aconteceu entre 17 e 19 de setembro deste ano e os bolsistas de Iniciação Científica do grupo tiveram a oportunidade de divulgar os resultados de suas pesquisas:

- A HISTÓRIA AMBIENTAL DA RIZICULTURA EM DOUTOR PEDRINHO-SC de autoria de Ana Paula de Castilho, Gean Marcarini, Joyce Purim; Tainá Buzzi, Gilberto Friedenreich dos Santos e Ana Cláudia Moser. Pesquisa com recursos PIBIC/CNPq Junior.

- ESTUDOS SOBRE A HISTÓRIA AMBIENTAL DOS USOS DA AVIFAUNA DO PARQUE NACIONAL SERRA DO ITAJAÍ (SC), NOS MUNICÍPIOS DE BLUMENAU, BOTUVERÁ E GUABIRUBA, com autoria de  Francisco José Matias; Gilberto Friedenreich dos Santos; Martin Stabel Garrote; Vanessa Dambrowski. Pesquisa com recursos PIBIC/CNPq

- INVESTIGANDO A HISTÓRIA DA CRIAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO PARQUE NACIONAL DA SERRA DO ITAJAÍ (VALE DO ITAJAÍ - SC), de autoria de Rubens Vinícius da Silva; Gilberto Friedenreich dos Santos; Vanessa Dambrowski; Martin Stabel Garrote. Pesquisa com recursos PIBIC/FURB

- HISTÓRIA E MEMÓRIA AMBIENTAL DAS ANTIGAS SERRARIAS DO TERRITÓRIO DO PARQUE NACIONAL DA SERRA DO ITAJAÍ (SANTA CATARINA, VALE DO ITAJAÍ) de autoria de Francisco José Matias; Gilberto Friedenreich dos Santos; Gabriel Pierri de Souza; Martin Stabel Garrote. Pesquisa com recursos do PIPe Art. 170, Estado de Santa Catarina.

- HISTÓRIA E MEMÓRIA AMBIENTAL DAS ANTIGAS SERRARIAS DO TERRITÓRIO DO PARQUE NACIONAL DA SERRA DO ITAJAÍ (SANTA CATARINA, VALE DO ITAJAÍ) de autoria de Gabriel Pierri de Souza; Gilberto Friedenreich dos Santos; Martin Stabel Garrote; Vanessa Dambrowski; Francisco José Matias. Pesquisa com recursos do PIPe Art. 170, Estado de Santa Catarina.

- HISTÓRIA E MEMÓRIA AMBIENTAL DA SERRARIA SÃO FRANCISCO (PARQUE NACIONAL DA SERRA DO ITAJAÍ, BLUMENAU, SC) de autoria de Kahina Thirsa Hostin; Gilberto Friedenreich dos Santos; Martin Stabel Garrote, Vanessa Dambrowski.

Para conhecer os textos destes estudos acessar os Anais do 8º MIPE. Durante o ano de 2015 serão divulgados os artigos na integra dos referidos estudos.

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Estudantes e pesquisadores publicam resumo da pesquisa CNPq realizada em Doutor Pedrinho-SC.

Nos últimos dois anos a pesquisa A HISTÓRIA AMBIENTAL DA RIZICULTURA EM DOUTOR PEDRINHO-SC vem sendo desenvolvida sob coordenação da pesquisadora  Ana Claudia Moser e orientação do professor Gilberto Friedenreich dos Santos. 

A pesquisa foi iniciada por Ana em seu Trabalho de Conclusão de Curso, e durante suas atividades docentes na Escola de Educação Básica Frei Lucínio Korte, em Doutor Pedrinho, com parceria do GPHAVI ampliou os estudos da História Ambiental da Rizicultura inserindo os jovens do ensino médio diretamente na pesquisa acadêmica com o PIBIC/CNPq Ensino Médio. Os resultados foram divulgados nos Anais  da 8º Mostra Integrada de Ensino Pesquisa e Extensão da FURB. Veja o resultado:

A HISTÓRIA AMBIENTAL DA RIZICULTURA EM DOUTOR PEDRINHO-SC
Ana Paula de Castilho, Gean Marcarini, Joyce Purim; Tainá Buzzi; Gilberto Friedenreich dos Santos; Ana Cláudia Moser

O município de Doutor Pedrinho localiza-se no Alto Vale do Rio Itajaí-açu, na bacia hidrográfica do Rio Benedito. Analisa-se a história ambiental da rizicultura no município com o propósito de explicar o papel que a tecnologia desempenha no agravamento dos problemas ambientais da região. A metodologia de pesquisa é composta por três etapas: levantamento de dados primários, realização de entrevistas semi-estruturadas e observação sistemática e participante no contexto da rizicultura. Dividiu-se o processo de desenvolvimento da rizicultura em três padrões de acordo com a inserção de novas tecnologias no cultivo. O primeiro padrão corresponde ao período de inserção do cultivo e corresponde a meados da década de 1920 até meados da década de 1950. Entre as características observadas nesse período destaca-se a proximidade do agricultor com a natureza, pois poucos eram as ferramentas tecnológicas disponíveis e o sucesso do cultivo dependia da observação sistemática da natureza e do acompanhamento de todo o processo de cultivo de maneira próxima. Segundo os entrevistados esse período foi marcado pelo trabalho manual. A partir da década de1960 a introdução dos tratores no processo produtivo e a intensificação da participação da extensão rural marcam o início de um novo padrão que perdura até meados da década de 1980. De acordo com os entrevistados o número de pessoas envolvidas no cultivo diminui significativamente nesse período. Na medida em que novas tecnologias são inseridas e a extensão rural passa a participar de forma mais ativa no processo produtivo, o agricultor distancia-se gradativamente da natureza. Simultaneamente os impactos do cultivo agravam-se. A intensificação do uso de agroquímicos, sementes selecionadas e de equipamentos agrícolas próprios para o cultivo de arroz a partir da década de 1990 marcam o terceiro padrão de desenvolvimento e segue até os dias de hoje. Com a intensificação do uso dos equipamentos e implementos consolida-se o distanciamento do agricultor da natureza, assim como os impactos ambientais causados pelo cultivo. As consequências dessa interação sociedade e natureza ampliaram os impactos ambientais proporcionalmente à modernização do sistema produtivo. Contudo, é necessário destacar a percepção nos discursos dos entrevistados e nos documentos analisados até então, que, nos últimos anos formas de compreender e minimizar os impactos da irrigação tem sido procuradas e debatidas pelos agricultores e pelas instituições ligadas a eles (como Cooperativas e a EPAGRI).

Fonte Financiadora: PIBIC CNPq EM / FURB / GPHAVI.
Anais do MIPE: www.furb.br/_upl/files/especiais/mipe/2014/Resumos%20pesquisa_anais.pdf

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Pesquisador do grupo realiza oficina de História Ambiental no Interação FURB

No dia 10 de setembro o grupo através do pesquisador e professor do Departamento de Ciências Sociais e Filosofia Martin ministrou a oficina "Pesquisando a sociedade e natureza no Vale do Itajaí" na 10º Interação FURB, evento destinado a apresentar a universidade a estudantes do ensino médio da região. A oficina contou com 12 estudantes interessados no tema e dois estudantes da graduação de Ciências Sociais como monitores (Hugo e Bruna). Foi apresentado o grupo, as possibilidades de pesquisa e como um estudante de Ciências Sociais, História, Geografia, Ciências Biológicas e demais podem de forma interdisciplinar desvendar como ocorreram as interações entre a sociedade e o ambiente no Vale do Itajaí através das abordagens da Sociologia e História Ambiental.

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Pesquisadora defende dissertação apresentando modelos computacionais sobre invasões de espécies exóticas


No dia 06 deste mês a pesquisadora do grupo Vanessa Dambrowski defende a dissertação em Engenharia Florestal intitulada MODELAGEM DE NICHO POTENCIAL PARA AS ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORAS Tithonia diversifolia E Hovenia dulcis EM SANTA CATARINA. Confira o trabalho completo aqui

sábado, 9 de agosto de 2014

FURB terá curso de Licenciatura de Geografia a partir de 2015

Nota publicada em 8/08

O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) da FURB aprovou por unanimidade a oferta do curso de Licenciatura em Geografia. O projeto, que tramitava desde 2013, lembra que a FURB possui um Departamento de História e Geografia e oferta o curso de História desde 1987, porém, nunca criou o curso de Geografia. Sidirley de Jesus Barreto, relator do parecer CEPE, lembra que em 2001, a Univali chegou a ofertar o curso de Geografia na modalidade Magister, em Blumenau, e, naquele mesmo ano, uma comissão apresentou um projeto de criação do curso de Geografia na FURB, algo que não vingou e foi arquivado.

O perfil desejado para o formado no curso de Licenciatura em Geografia da FURB é o de professor-pesquisador que atue criticamente e que possa contribuir para a compreensão e explicação da espacialidade do Vale do Itajaí, e consolidando a FURB como uma instituição de referência em formação de professores para as disciplinas da Educação Básica.
O relator lembra ainda que a Geografia transita pela FURB na graduação e por Programas Stricto Sensu. Na Biblioteca Central, por exemplo, há mais de 2 mil títulos específicos da Geografia e mais de 1 mil outros de áreas afins.
A perspectiva é que o curso de Licenciatura em Geografia seja oferecido em 2015.

Fonte: 
http://www.furb.br/web/1704/noticias/cepe-aprova-criacao-do-curso-de-licenciatura-em-geografia/3469

sexta-feira, 11 de julho de 2014

Pesquisador apresenta em TCC resultados de pesquisa sobre a História Ambiental das comunidades ao Sul do do Parque Nacional da Serra do Itajaí

O pesquisador Martin graduou-se em Licenciado e Bacharel em Ciências Sociais realizado pela PARFOR/CAPES na FURB. Neste dia apresentou seu trabalho de conclusão de curso intitulado INTERAÇÕES HUMANAS NA FLORESTA ATLÂNTICA NO ENTORNO DO PARQUE NACIONAL DA SERRA DO ITAJAÍ: COMUNIDADES DE APIUNA, VIDAL RAMOS, PRESIDENTE NEREU E BOTUVERÁ-SC. A banca foi composta pelos professores Darlei de Andrade Dulesko, Nelson Afonso Garcia Santos e por Gilberto Friedenreich dos Santos.
O trabalho, orientado pelo professor Gilberto, teve como finalidade concentrar os resultados coletados nos últimos 3 anos de pesquisa nestas localidades. Durante esse processo foram realizadas 4 Iniciações Cientificas com recursos do FUNDES - SC, e PIPe - SC, e FAPESC. Segundo o pesquisador, a área foi investigada tendo a História Ambiental e a Sociologia Ambiental como bases teóricas e metodológicas. Nas fontes estudadas sempre esteve presente no desenvolvimento das comunidades a exploração econômica da natureza. A região do estudo foi ocupada e explorada em sincronia com os ciclos econômicos
regionais, principalmente relacionados ao da madeira e do fumo. A exploração ocorreu de forma desordenada e vem provocando a escassez dos recursos das comunidades, contaminação por agroquímicos, e provocando desequilíbrio ambiental. Para ver mais acesse aqui.

segunda-feira, 7 de julho de 2014

Projetos aprovados para 2014-2015 de História Ambiental

É com satisfação que anunciamos a aprovação de 3 projetos institucionais (Universidade Regional de Blumenau) à serem realizados até agosto de 2015. São eles:

EDITAL PROPEX Nº 05/2014 – PIBIC-EM/CNPq (ver)
Projeto: 
As Unidades de Conservação no município de Blumenau (Santa Catarina).
Nesta pesquisa ocorre a parceria com uma escola de Ensino Médio, gerando 1 bolsa remunerada ao estudante bolsista da escola, que passa a integrar a equipe do GPHAVI.

EDITAL PROPEX Nº 01/2014 - PIBIC/CNPq - PIBIC/FURB (ver)
Projetos:
a)Historia das Unidades de Conservação (Federais, Estaduais e Municipais) no Vale do Itajaí.
Pesquisa que gera ao estudante de graduação uma bolsa PIBIC CNPq.

b) O processo histórico de uso do solo como contribuição à história e memória do município de Dona Emma (Vale do Itajaí, Santa Catarina).
Pesquisa que será realizada em parceria com o Centro de Memória de Dona Emma,  e possibilita ao estudante de graduação que mora na região uma bolsa PIBIC FURB.

As pesquisas serão realizadas no laboratório do GPHAVI (Campus 1, Bloco R, sala R-109), e em campo de pesquisa, o que condiz a uma dedicação mínima de 20 horas semanais. (observar nos editais problemas de confronto de bolsas, e itens vedados aos bolsistas). Os estudantes interessados nas pesquisas deverão procurar o GPHAVI para obter informações sobre as atividades e obrigações do bolsista. Principais critérios de escolha: Estar regularmente matriculado em uma graduação da FURB (Aprecia-se a interdisciplinaridade), não estar trabalhando ou ter disponível no mínimo 20 horas semanais para cumprir no laboratório e em campo, não possuir bolsa que confronte com a origem orçamentária, ter um perfil autodidata, gostar de ler, escrever, conversar, ter boa observação, experiência em atividades de escritório, assim como o impreterível interesse e experiência nos estudos com a temática das interações sociedade e natureza, e gostar de estar na natureza. No ato da conversa de seleção apresentar cópia de Histórico escolar do curso que faz, e um currículo vitae (ou lattes). Observem os horários de funcionamento de julho, ou agende uma visita através do telefone (47)3321 0438, ou pelo e-mail: gphavi.furb@yahoo.com.br.

segunda-feira, 16 de junho de 2014

Canal de TV GPHAVI

Desde 2010 busca-se com as pesquisas do GPHAVI registrar imagens em vídeo com a finalidade de organizar um acervo de documentários sobre a História Ambiental do Vale do Itajaí. A partir do  inicio deste mês foi estabelecido no YOUTUBE um canal para o grupo no endereço: http://www.youtube.com/channel/UCtEvFtqRyPrUzn16h50BpkQ.

O primeiro material divulgado foi o vídeo documentário Memórias do Parque. Através dos resultados de pesquisas realizadas entre 2004-2006 na região da Nova Rússia, entorno do Parque Nacional da Serra do Itajaí, e com o uso de recursos do Fundo Municipal de Apoio a Cultura de Blumenau (Edital 2006), foram coletadas entrevistas com moradores e pesquisadores que contam a história da região. 



O documentário é uma produção do Grupo Cinema Documentário, grupo artístico cultural derivado do GPHAVI. A coordenação e pesquisa foi realizada por Martin Stabel Garrote e Vanessa Dambrowski, tendo a direção e produção de Diego Dambrowski.

terça-feira, 20 de maio de 2014

Parceria é estabelecida com o Grupo de Estudo e Pesquisa de História Ambiental e Educação - GEPHAE

Desde o último Encontro Estadual da ANPUH-SC em 2012, os pesquisadores e historiadores ambientais Carlos Renato Carola (UNESC) e Martin Stabel Garrote (FURB) vem estabelecendo uma parceria entre os grupos de pesquisa que participam. A partir de maio ficou caracterizada a parceria entre o Grupo de Estudos e Pesquisa em História Ambiental e Educação - GEPHAE do curso de História da UNESC - Criciúma, e o Grupo de Pesquisa de História Ambiental do Vale do Itajaí - GPHAVI do curso de História da FURB - Blumenau.

Uma das primeiras atividades dos dois grupos será a coordenação de um GT no Congresso Ibero-Americano de Humanidades, Ciências e Educação: Perspectivas que será realizado na UNESC em Criciúma de 10 a 13 de setembro de 2014. Os pesquisadores com a pesquisadora e professora Cátia Elaine Alves Constant coordenam o Grupo de Trabalho: Crise ambiental e educação na América Latina. A submissão de trabalhos poderá ser feita até dia 30 de junho. Maiores informações acessar no site do evento http://www.unesc.net/portal/capa/index/433/7760/

domingo, 20 de abril de 2014

Congresso Ibero-Americano de Humanidades, Ciências e Educação: Perspectivas

Com a missão da UNESC de "Educar, por meio do ensino, pesquisa e extensão, para promover a qualidade e a sustentabilidade do ambiente de vida" e da UNA HCE - Unidade Acadêmica de Humanidades, Ciências e Educação, de “Promover políticas de Ensino, Pesquisa e Extensão nas áreas de Humanidades, Ciências e Educação, de modo articulado e participativo, contribuindo para a emancipação do ser humano e a sustentabilidade ambiental”, o Congresso Ibero-Americano de Humanidades, Ciências e Educação: Perspectivas, que será realizado de 10 a 13 de setembro de 2014, pretende colocar em debate a Educação Contemporânea, sua complexidade, posta enquanto desafios para o século XXI, e o avanço necessário para um ambiente de interação com as diversas esferas sociais que subsidiam empiricamente as construções e troca de saberes: práticas, vivências, metodologias, tecnologias. Para tanto, visa a empreender interlocução entre pesquisadores, profissionais da educação, estudantes de licenciaturas e demais interessados pela temática.
Este evento, portanto, coloca em perspectiva um lugar de e para construção coletiva de conhecimentos, trabalhos colaborativos e parcerias interinstitucionais de modo a evidenciar a incessante busca pela consolidação do Ensino, Pesquisa e Extensão, levando-se em consideração o que se tem produzido nos países ibero-americanos, para serem socializados, problematizados com vistas a encaminhamentos comuns. Maiores informações em:
http://www.unesc.net/portal/capa/index/433/7516/



quinta-feira, 27 de março de 2014

GPHAVI participa com coordenação de Simpósio Temático de História Ambiental na XV Encontro da ANPUH-SC.


(ATENÇÃO - por falta de inscritos a ANPUH-SC cancelou este simpósio temático)

Entre 11 e 14 de agosto de 2014 ocorrerá o 
XV Encontro Estadual de História da ANPUH-SC, como tema “1964-2014: Memórias, Testemunhos e Estado” e o II Colóquio Internacional Gênero, Feminismos e Ditaduras no Cone Sul, cuja tematica é uma referência aos 50 anos do golpe que instaurou no Brasil uma ditadura civil-militar. Nesta edição, pela segunda vez o grupo tem participação na organização de Simposio temático, contribuindo com a divulgação dos estudos em História Ambiental. As inscrições para a submissão de trabalhos vai até dia 20 de abril, e os interessados na área da História Ambiental tem a possibilidade de submeter artigos para dois simpósios temáticos específicos da área:


021. História Ambiental: Impactos socioambientais no contexto da ditadura da ordem e do progresso

Coordenadores: CARLOS RENATO CAROLA (Doutor(a) - UNESC - Universidade do Extremo Sul Catarinense), MARTIN STABEL GARROTE (Mestre(a) - FURB - Universidade Regional de Blumenau)
Resumo: No período regime civil-militar de 1964, a concepção desenvolvimentista de crescimento econômico foi levada ao extremo. O governo militar pretendia elevar o Estado brasileiro ao nível das potencias do capitalismo internacional. Para tanto, se determinou a domesticar a maior floresta tropical do mundo contemporâneo. Criou e autorizou centenas de projetos de exploração dos recursos naturais da Amazônia; criou uma mega infraestrutura de rodovias e usinas hidroelétrica; criou órgãos de financiamento, de pesquisa e planejamento e ofereceu incentivos fiscais à empresários ávidos por enriquecimento a curto prazo. Os empreendimentos realizados tiveram impactos socioambientais colossais, atingindo não somente a fauna e a flora, mas também a população indígena e as comunidades tradicionais. O paradigma desenvolvimentista, no entanto, não foi invenção dos generais e nem se restringiu a Amazônia; é uma modelo de desenvolvimento que vem se difundindo no Brasil desde a era Vargas, sendo que no regime de 1964 foi o paradigma adotado em todo território brasileiro por empresários, políticos (governantes, senadores, deputados, vereadores e prefeitos), cientistas, etc. O objetivo principal do Simpósio de História Ambiental é promover um espaço de debate e socialização de pesquisas relacionadas a impactos socioambientais provocados por empreendimentos de “progresso” realizados no contexto da ditadura civil-militar de 1964.

002. História Ambiental e Migrações

Coordenadores: EUNICE SUELI NODARI (Doutor(a) - Universidade Federal de Santa Catarina), SAMIRA PERUCHI MORETTO (Doutorando(a) - UFSC)
Resumo: A História Ambiental oferece novos caminhos para pensar a História, como também novas formas de pensar a natureza. A questão ambiental tem sua relevância redimensionada por outras questões imbricadas como a desigualdade social, a garantia e o reconhecimento dos direitos humanos, o desmatamento desenfreado, a falta de saneamento básico, entre outros. Evidentemente, a devastação do patrimônio ambiental e o (ab)uso dos recursos naturais são temas candentes e precisam ser melhor discutidos sob o viés das Ciências Humanas e Sociais. A proposta do presente simpósio é reunir trabalhos que tratem as relações entre História e Natureza nas suas diferentes dimensões. Desta forma nos interessam estudos que discutam as concepções, atitudes e atividades humanas na transformação da paisagem, como os seres humanos alteraram o mundo rural e urbano e, finalmente, as consequências dessas alterações para as comunidades naturais e humanas. Salientam-se ainda a importância de estudos relacionados aos movimentos migratórios humanos e da flora e fauna, os processos de ordenamento sanitário e de saúde pública, os estudos relacionados aos aspectos históricos, demográficos e ambientais na formação dos territórios. A análise das relações com as comunidades tradicionais e a formação de identidades regionais e nacionais no que concerne a História Ambiental também faz parte deste escopo. A análise das relações com as comunidades tradicionais e a formação de identidades regionais e nacionais no que concerne a História Ambiental também faz parte deste escopo.

Na ocasião, os pesquisadores dos respectivos simpósios temáticos participação de reunião do GT de História Ambiental de Santa Catarina, coordenado pela Doutora Eunice Sulei Nodari.

Maiores informações, direto no evento:


GPHAVI coordena Simpósio de História Ambiental na XXI Semana Acadêmica de História - FURB

Sob responsabilidade do professor Gilberto Friedenreich dos Santos e do estudante Gabriel Pierri de Souza foi submetido e aprovado a proposta de Simpósio Temático à coordenação da XXI SAH.

ST 01: 06/05/2014 – Horário: 14:00 as 17:30
Título: História Ambiental em Foco
Proponente: Prof. Dr. Gilberto Friedenreich dos Santos (FURB)
Acadêmico: Gabriel Pierri de Souza
Grupo de Pesquisas de História Ambiental do Vale do Itajaí - GPHAVI

Resumo: A História Ambiental é uma área interdisciplinar e busca compreender as relações positivas e negativas da interação entre os seres humanos e a natureza de forma não dicotômica, indissociável. A História Ambiental surgiu em decorrência das transformações na História após o movimento dos Annales, e paralelamente pelos anseios dos movimentos sociais ambientalistas e fóruns mundiais sobre a Questão Ambiental. Por volta de 1970, como campo teórico formado se desenvolve na academia. No Brasil a partir de 1980 diversos estudos apresentaram múltiplos enfoques teóricos e metodológicos, assim como novas formas instrumentais e fontes de pesquisas, o que possibilitou trazer a tona novos problemas e rediscutir outros já analisados sob o enfoque da História Ambiental. A História Ambiental preocupa-se em investigar como os ambientes do passado foram transformados, as formas de ocupação e uso dos solos, dos elementos da biodiversidade, os impactos e influências no desenvolvimento da cultura humana. Considerando também as percepções, simbolismos, ideias e valores sobre o mundo natural durante nossa História humana. Por ser uma área interdisciplinar, este simpósio temático possibilita, assim como na História Ambiental, um diálogo com outras disciplinas como a antropologia, a biologia, geografia, geologia, sociologia e principalmente a ecologia e conservação da natureza. Desta forma o objetivo do mini simpósio “História Ambiental em foco”, é promover um espaço de debate e socialização de pesquisas ligadas às relações entre sociedade e natureza de forma interdisciplinar.

Mais informações em:
http://cahclio.wix.com/xxisemanaacademica
http://proxy.furb.br/soac/index.php/sah/xxisah

quinta-feira, 20 de março de 2014

XXI Semana Acadêmica de História

Vem aí a XXI Semana Acadêmica de História..


Neste ano o tema da XXI Semana Acadêmica de História é:

Ensinar e Pesquisar História:

Dilemas, desafios e perspectivas



Todas as informações em:

http://cahclio.wix.com/xxisemanaacademica

sábado, 18 de janeiro de 2014

Minicurso: Diálogos entre História Ambiental e História das Ciências: temas e abordagens


No XVI Encontro Regional de História ANPUH-RIO - Saberes e práticas científicas, que ocorrerá de 28/07 e 01/08 de 2014 na Universidade Santa Úrsula, Rio de Janeiro esta sendo ofertado o Minicurso Diálogos entre História Ambiental e História das Ciências: temas e abordagens com coordenação de Ingid Fonseca Casazza e Vanessa Pereira da Silva e Mello.

Resumo:   

Uma maior percepção dos danos causados à natureza pela ação humana, sobretudo a partir da década de 1970, tornou crescente a preocupação da sociedade com a sua preservação. Assim, nesse período, surgiram movimentos ecológicos que transformaram a ecologia, noção antes restrita apenas ao mundo acadêmico, em termo amplamente difundido pelos meios de comunicação. As questões ambientais também ganharam visibilidade política à medida que os governos eram pressionados por mudanças em relação à exploração do meio ambiente. E foi nesse contexto que a história ambiental começou a se desenvolver como campo historiográfico e se institucionalizou na academia em vários países. A própria contemporaneidade da questão ambiental tornou necessária a reflexão acerca das maneiras com as quais a sociedade historicamente construiu sua relação com o mundo natural. No que se refere à historiografia ambiental brasileira, esta tem sido marcada por análises que apontam para a importante participação de intelectuais e homens de ciência, dos séculos XIX e XX, em iniciativas de proteção à natureza do país. A proposta deste minicurso é discutir esta tendência de examinar a relação entre prática científica e proteção da natureza como uma característica do contexto nacional. Além disso, pretende-se apresentar o processo de renovação que ocorreu na historiografia brasileira das ciências e que trouxe novos temas, objetos e abordagens para o estudo desse campo. A partir da conformação da disciplina, após os anos 80, foi elaborada uma nova agenda de pesquisas na qual a relação entre ciência e natureza passou a ser um dos temas privilegiados. Outra meta é analisar a natureza como objeto histórico, tratando do surgimento da história ambiental, suas principais características e o modo como vem sendo abordada pela historiografia brasileira.

Para inscrições e maiores informações como o programa do minicurso acessar: http://www.encontro2014.rj.anpuh.org/inscricoes/capa

Outras informações em: http://www.encontro2014.rj.anpuh.org/

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

VII Simpósio de História Ambiental da Sociedade Latino Americana e Caribenha (SOLCHA)

Ocorrerá entre os dias 15 e 18 de outubro de 2014 o VII Simpósio de História Ambiental da Sociedade Latino Americana e Caribenha de História Ambiental, na cidade de Quilmes, Argentina. O evento com a coordenação do Centro de Estudos Rurais da Argentina, a ser realizado na Universidade Nacional de Quilmes está com inscrições abertas para mesas e trabalhos com as temáticas:
- Cultura da natureza na América Latina;
- O ambiente como objeto de estudo social, político, econômico, histórico e geográfico;
- Ciências naturais, ciências sociais e história ambiental;
- A crise global do meio ambiente: responsabilidades, tarefas e desafios para a história ambiental;
- Estado da História Ambiental latino-americana e caribenha: historiografia, teoria, método, investigação, docência e história aplicada;
- Cidade e meio ambiente;
- História Ambiental e setor rural florestal;
- Mineração em América Latina e Caribe;
- Transformações da paisagem;
- Ecologia política;
- Biodiversidade e conservação.

As propostas devem ser encaminhadas até dia 01/04/2014 através do e-mail simposiosolcha@unq.edu.ar
Maiores informações pelos endereços:
http://solcha.blog.unq.edu.ar  ou pelo Facebook http://www.facebook.com/viisolcha?fref=ts

sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

XV Encontro Estadual de História da ANPUH-SC

Estão abertas as inscrições para o XV Encontro Estadual de História da ANPUH-SC que ocorrerá entre 11 à 14 de agosto de 2014. Os interessados devem acessar o site do evento e acompanhar os trabalhos da organização do evento: http://www.encontro2014.sc.anpuh.org/simposio/public

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Chamada de artigos para a mesa: Fronteiras agrícolas, matérias primas, e crises ambientais na história da América Latina


Está aberta até dia 31 de janeiro de 2014 inscrições de artigos para a mesa: Fronteiras agrícolas, matérias primas, e crises ambientais na História da América Latina sob coordenação do professor Dr. João Klug.


O simpósio se propõe a reunir os historiadores que se ocupam com a temática ambiental na América Latina, com ênfase no avanço das fronteira agrícolas e de pecuária, a exploração de matérias primas e os conflitos
ambientais daí decorrentes, assim como dos desastres “naturais”. Examina como a perspectiva ambiental permite repensar temas tradicionalmente tratados pela história social e econômica, como, por exemplo, os
movimentos migratórios etc. Dado a magnitude dos problemas ambientais, a América Latina se insere no contexto global sob um holofote negativo. O simpósio discute como a História pode contribuir à compreensão das crises ambientais, sem reproduzir narrativas teleológicas de decadência. Não se entende história ambiental como um determinado método de pesquisa, mas como um campo multifacetado de pesquisas sobre as relações e interações entre as sociedades humanas e seus ambientes “naturais” no
passado. O panorama inclui desde métodos de medição científica até abordagens sobre percepção e codificação cultural de paisagens. Por este motivo, convidamos contribuições que tratam de expansão/contração agrária e transformação ecológica, entrelaçamentos entre cidades e hinterlands, infraestruturas e fluxos de matérias primas, relações animal-humanas, ambientalismo e políticas de crise, interfaces entre ciência, técnica, medicina e meio ambiente, assim como as interseções entre histórias do trabalho, de genêro, e das relações raciais com a história ambiental.
O prazo para o envio de propostas (no máximo 400 palavras) é o dia 31 de janeiro de 2014. As palestras podem ser feitas em espanhol ou português. Os coordenadores do simpósio são:

Prof. Dr. João Klug (Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis)
Prof. Dr. Reinaldo Funes Monzote (Universidad de La Habana)
M.A. Georg Fischer (Freie Universität Berlim)

As propostas devem ser enviadas aos seguintes endereços:
joaoklug@yahoo.com.br
reinaldofunes@yahoo.com.mx
g.fischer@fu-berlin.de

Maiores informações sobre o XVII Congresso Internacional da AHILA podem ser obtidas no site www.ahila2014.net / Pedimos a divulgação desta chamada para outros pesquisadores interessados na temática.



segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

Balanço de 2013 e perspectivas para 2014

O GPHAVI em 2014 comemorá seu 11º Aniversário, e em seus 10 anos de atuação desenvolveu com a abordagem da História Ambiental mais de 21 projetos de Iniciação Científica na Graduação. Esses projetos favoreceram o desenvolvimento do grupo, desta forma gostaríamos de agradecer aqueles estudantes que desde 2004 até 2013 contribuíram com o crescimento do GPHAVI: 



Martin Stabel Garrote; Marcela Adriana Grandi; Siyyid Kazim Merched Ahimed; Alessandra Roberta da Silva; Vanessa Nicoceli; Ana Cláudia Moser; Carolina Francisca Marchiori da Luz; Bruno de Campos Solís; Amanda Blankenburg; Ana Bueno; Vanessa Cristina Pacheco da Silva; Lizandro Nunes Fernandes; Douglas Grübel; Shimene Feuser; Vânia Eloiza Gonçalves; Evander R. S. S.; Anderson de Souza; Jéssica Ramos; Ricardo Werninghaus; Luiz Fernando Anzileiro; José Rodrigo Sassemann; Vitória Abreu; Nicolas Voss Reis; Mariane Paolla Schwartz; Diego Knoch Sampaio; Francisco José Matias; Gabriel Pierre de Souza; Kahina Thirsa....

Em janeiro de 2014 o Blog do GPHAVI atingiu o número de 18,680 visitas, o que representa o total de 10,877 acessos em 2013. O aumento de 42% no número de acessos demonstra o crescimento do grupo assim como o interesse pela área de História Ambiental. Veja o gráfico que demonstra o crescimento dos acessos do blog entre 2008-2014.



O maior número de acessos correspondem aos realizados no Brasil e Estados Unidos, mas em 2013 tivemos acessos da Malásia, Rússia, China e Israel, entre outros conforme demonstra o gráfico a seguir. Esses acessos possibilitam ao GPHAVI uma internacionalização da divulgação de suas atividades.


Entre as postagens mais acessadas em 2013 em primeiro lugar aparece a divulgação da criação do Curso de Geografia na FURB, obtendo mais de 1900 acessos. Agradecemos a comunidade que vem acompanhando o blog do GPHAVI e esperamos para 2014 um maior aprimoramento nas atividades e divulgação dos resultados.

quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

GPHAVI realizará em 2014 atividades de pós-graduação

No final de 2013 foi divulgado o resultado final do processo seletivo para o ingresso de professor/pesquisador para o Programa de Pós Graduação (Mestrado/Doutorado) em Desenvolvimento Regional da FURB (CAPES 5), no qual apresentou que o professor e coordenador do GPHAVI Gilberto Friedenreich dos Santos passa a integrar o corpo docente do programa, o que possibilita ao professor e grupo a elaboração de projetos de pesquisa em nível de Mestrado e Doutorado, assim como amplia a capacidade de captação de recursos para elaborar pesquisas na área de História Ambiental.


Em 2014 a FURB passará a oferecer a Licenciatura de Geografia sob coordenação do professor Gilberto, que associado a disciplina de Geohistória (graduação de História) disponibilizará oportunidades de bolsas de Iniciação Científica voltados para estudantes de História e Geografia e pesquisas na Pós-graduação para elaboração de Dissertações e Teses. O que possibilita aos estudantes um aprimoramento na carreira elaborando: Iniciação Científica>Trabalho de Conclusão de Curso (História e Geografia)>Dissertação de Mestrado>Tese de Doutorado integrados tendo como fundo as interações entre sociedade humana e ambiente.